O número pessoas conduzidas para delegacias após praticar delitos em Belo Horizonte cresceu 27% nos primeiros 31 dias de 2019, se comparado ao mesmo período do ano passado. Foram 3.720 prisões de adultos e apreensões de adolescentes. A média é de 120 detenções a cada 24 horas. Do total de detidos, 154 já tinham ficha criminal.

Os dados foram divulgados ontem pela Polícia Militar e referem-se apenas às ações realizadas pela corporação. Além disso, foram apresentados números das operações deflagradas no Natal e nas férias.

Conforme a assessora do Comando de Policiamento da Capital (CPC), tenente Gisele Couto, os índices de assaltos a residências e a estabelecimentos comerciais reduziram pela metade na metrópole. Este ano, a PM registrou 13 roubos e 635 furtos a casas em janeiro. Já no último mês de 2018, os roubos a estabelecimentos comerciais caíram de 239 para 122, e os furtos de 1.133 para 1.129.

A tenente Gisele Couto afirma que o resultado se deve ao aprimoramento das “estratégias de ação” tanto nos bairros quanto no hipercentro. O monitoramento de criminosos por meio de tornozeleiras eletrônicas, as câmeras do Olho Vivo e a utilização de um sistema capaz de identificar veículos tomados por bandidos nas principais vias da capital também contribuíram para a queda na criminalidade.

“Tivemos um reforço do policiamento, empregando militares que trabalham na administração, além de alunos da Academia de Polícia. Esse foi o melhor índice dos últimos 20 anos”, diz a assessora do CPC. 

A PM não revelou, no entanto, qual foi o efetivo empregado nas operações Natalina e Férias Seguras, por “motivos estratégicos”.