Talvez não seja novidade que as mulheres são a maioria da população de Belo Horizonte. O assunto está sempre em discussão nas mesas dos bares da cidade. Mas nesta quarta-feira (22), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelou a diferença entre os dois sexos. Na capital mineira há 191 mil mulheres a mais do que homens. O dado consta na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD).

Conforme o levantamento, que se refere a população de 2018, BH tem 1.346 milhão de mulheres contra 1.155 milhão de homens. Isso significa que a população feminina representa 53,8% do total, contra 46,2% da população masculina. O índice é superior à média estadual e nacional. 

Em Minas Gerais, os homens representam 48,4% da população, e as mulheres 51,6%, percentuais próximos aos verificados para o Brasil (48,3% e 51,7% de homens e mulheres, respectivamente). De acordo com o IBGE, a maior taxa de mulheres na cidade aconteceu em 2013, quando elas representavam 54,6% da população. Confira a evolução por ano:

          Elas x eles
2012: 53,9% x 46,1%
2013: 54,6% x 45,4%
2014: 53,8% x 46,2%
2015: 53,7% x 46,3%
2016: 53,2% x 46,8%
2017: 53,1% x 46,9%
2018: 53,8% x 46,2%


A analista de planejamento do IBGE e responsável pela pesquisa em BH, Fernanda Gerken, informou que o órgão não consegue desvendar o motivo da capital ter sempre mais mulheres do que homens. "Nós, do instituto, fazemos a coleta. Não tem como saber se um morador mudou, por exemplo", explicou

Conforme a PNAD, a população mineira foi estimada em 21 milhões de pessoas, 800 mil a mais que em 2012. "Assim, o Estado representa, aproximadamente, 10,1% da população brasileira, atrás apenas do estado de São Paulo, cuja população foi estimada em 45,5 milhões", revelou o IBGE.

Cor e raça

Nos últimos seis anos, a população mineira declarada preta e parda cresceu 40,9% e 7,3%, respectivamente. Já a população branca reduziu 6,7% no período. Em 2018, a população branca representava 39,7% da população residente em Minas, ao passo que 11,8% se declarou preta e 48,2%, parda. Em 2012, os que se declaravam brancos eram 44,3%, enquanto 8,7% se declararam de cor preta e 46,7% se declararam pardos.