A prefeitura identificou 51 pontos em Belo Horizonte com alto risco de alagamento em dias de chuva forte. Todos foram sinalizados com placas de alerta. Mas, tempestades recentes mostraram que há outros locais susceptíveis a inundações que passaram batido aos olhos das autoridades. Em um dessas “armadilhas invisíveis” a estudante Bianca Cristina Oliveira, de 13 anos, morreu ao ser arrastada pela força da enxurrada.

Na terça-feira passada, a rua Expedicionário Jesus Ramos, no Conjunto Felicidade, região Norte da capital, se transformou em rio. A menina chegava à escola quando foi levada pela correnteza para debaixo de um carro.

“É um absurdo só ter boca de lobo no final dessa rua, que é muito movimentada por causa da escola. Toda a água da chuva desce por aqui a caminho do córrego Fazenda Velha e não há nada alertando para esse risco”, desabafa Mercês da Conceição Ferreira, de 65 anos, há 29 morando no Conjunto Felicidade.

Um dia depois, nova inundação assustou quem passava pela rua Coronel Índio do Brasil, no bairro Itapoã, na Pampulha, onde fica a Escola Municipal Lídia Angélica. A tempestade do fim de tarde causou o alagamento da via, na junção com a Desembargador Lincoln Prates, ao lado do Parque Lagoa do Nado. Não há placa indicando o risco no local.

 

É um absurdo só ter boca de lobo no final de uma rua movimentada por causa da escola
Mercês Ferreira
Moradora do Felicidade
 

Prejuízo

No Pilar, região do Barreiro, a parte mais baixa da rua Pedro Moreira do Nascimento ficou alagada com a chuva que caiu em 11 de novembro. O trânsito de veículos e pedestres foi interrompido e um carro de luxo, da marca BMW, ficou debaixo d’água.

“Aqui sempre foi problemático. A enxurrada desce pela rua São Pedro do Aldeia carregando muito lixo, galho de árvore, e entope os bueiros. Já vi muito motoqueiro sofrer acidente nesse trecho, porque não tem nenhuma placa dando o alerta”, afirma o motoboy João Gabriel Arruda, de 32 anos.

Perto dali, segundo ele, motoristas desavisados enfrentam mais transtornos por causa da chuva em um ponto de alagamento que sempre se forma na marginal do Anel Rodoviário.

Dona Mercês - Conjunto Felicidade
CONJUNTO FELICIDADE – Mercês mostra bueiro entupido na rua onde adolescente foi arrastada pela enxurrada


Entupimentos
Por meio da assessoria de imprensa, a Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (Comdec) informou que 975 placas estão espalhadas pelos locais considerados mais críticos em dias de chuva forte. O alerta é recomendado pela Organização das Nações Unidas (ONU). 

Alagamentos eventuais em outras partes da cidade são provocados pelo entupimento de bueiros, devido ao descarte irregular de lixo nas ruas, ressalta a Comdec. Há, também, pontos em que a vazão da água de chuva é insuficiente, de acordo com o órgão.


Leia mais: 

400 toneladas de entulho são recolhidas por mês em bueiros

Venda Nova tem o maior potencial em BH para reprodução do mosquito Aedes aegypti

Governo do Estado institui grupo de trabalho para enfrentamento do período chuvoso

Chuva já matou 13 pessoas em Minas Gerais, aponta Defesa Civil