A partir do ano que vem, os estudantes de Belo Horizonte contarão com uma novidade no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem): a prova em versão digital. O início da mudança na aplicação da prova acontecerá em Belo Horizonte e outras quatorze capitais, anunciou o Ministério da Educação (MEC) nesta quarta-feira (3). A intenção do governo é abandonar as versões impressas até 2026.

Em 2020, o Enem Digital funcionará em fase piloto. No primeiro ano de "teste", apenas 50 mil candidatos vão poder optar, no momento da inscrição, por fazer a prova pelo computador. Para efeito de comparação, na edição deste ano, mais de 5 milhões de pessoas estão inscritas no exame.

Durante coletiva nesta manhã, o ministro Abraham Weintraub explicou que o Enem Digital vai permitir a utilização de novos tipos de questões com vídeos, infográficos e até a lógica dos games. Além disso, frisou que será possível aplicar o exame em mais municípios e em datas diferentes ao longo do ano. Neste caso, a aplicação funcionaria com agendamento prévio.

O MEC frisou que nada muda para os participantes inscritos no Enem 2019.

Formas de aplicação

Em 2020, o Enem terá três aplicações: a digital, a regular e a reaplicação. Este último caso é voltado para candidatos prejudicados por algum problema logístico ou de infraestrutura durante a realização da prova digital. Eles terão direito à reaplicação, que ocorrerá em papel.

De acordo com o MEC, no ano que vem, as aplicações regular e digital vão acontecer em dois domingos, nos dias 11 e 18 de outubro, e os resultados serão divulgados de forma conjunta.

Para o ministro da Educação, Abraham Weintraub, o exame se tornará mais moderno sendo feito pelo computador. "Depois de 100 anos de provas sendo realizadas no papel, a educação brasileira aponta para o futuro e vai abrir processo para fazer o Enem em uma versão digital", declarou.

Progressivo

Conforme o MEC, em 2021, serão realizadas duas aplicações digitais, em datas distintas, agendadas previamente, também opcionais. A edição servirá como aprimoramento do piloto e vão permanecem a aplicação regular e a reaplicação em papel. De 2022 a 2025, o Enem Digital seguirá sendo aprimorado. A previsão do Inep é realizar até quatro aplicações digitais, em datas distintas, com agendamento prévio e ainda opcional para os participantes.

Por fim, em 2026, a versão em papel não mais será distribuída e o exame passará a ser aplicado apenas em formato digital.

Economia

Em 2019, mais de 10,2 milhões de provas serão impressas para o Enem. Os custos superam R$ 500 milhões para os mais de 5 milhões de participantes confirmados. Com o Enem Digital, o governo federal espera economizar com a impressão de papel.

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), órgão responsável pelo exame, informou que está se preparando para a aplicação do piloto em 2020. Medidas já adotadas são a aquisição e desenvolvimento da plataforma digital que será usada e a formatação do desenho da aplicação a partir de dados coletados pelo Censo Escolar. 

Confira as capitais que receberão a prova em formato digital em 2020:

  • Belém (PA);
  • Belo Horizonte (MG);
  • Brasília (DF);
  • Campo Grande (MS);
  • Cuiabá (MT);
  • Curitiba (PR);
  • Florianópolis (SC);
  • Goiânia (GO);
  • João Pessoa (PB);
  • Manaus (AM);
  • Porto Alegre (RS);
  • Recife (PE);
  • Rio de Janeiro (RJ);
  • Salvador (BA);
  • São Paulo (SP).


Leia mais:
Nova distribuição do Fundeb pode diminuir desigualdades na educação
Inseguro na preparação para a redação do Enem? Confira as dicas sobre possível mudança de viés
MEC divulga hoje resultado da segunda chamada do ProUni