O uso dos patinetes elétricos, que virou febre em várias cidades ao redor do mundo, inclusive em Belo Horizonte, onde chegou em meados de janeiro deste ano, deve passar por uma regulamentação municipal. Nos últimos quatro meses, pelo menos 74 pessoas foram internadas no Hospital de Pronto-Socorro João XXIII, na capital mineira, em decorrência de queda dos patinetes. Uma das vítimas sofreu traumatismo craniano e ficou sete dias hospitalizada, o que levou a uma despesa de  R$ 20 mil para os cofres públicos.

Por causa do crescimento dos acidentes, a BHtrans criou um grupo de estudos para discutir o impacto desse novo meio de transporte na cidade. Integram o grupo representantes da Guarda Municipal e da Secretaria Municipal de Política Urbana. Além disso, a empresa que gerencia o trânsito em BH também "já trabalha em um projeto de regulamentação do uso de patinetes", destacou. 

Enquanto não há nova regulamentação, vigora a Resolução 465 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) sobre o uso de veículos cicloelétricos. A lei estipula que o usuário só pode circular em calçadas a uma velocidade máxima de 6 km/h e a 20 km/h em ciclovias e ciclos de faixas. Em outras vias, a utilização dos patinetes é proibida.

Além disso, segundo o Contran, o equipamento de transporte deve conter uso de indicador de velocidade, campainha e sinalização noturna, dianteira, traseira e lateral, e também obedecer a dimensões especificadas pela Norma Brasileira (NBR).

Internações

O boom de internações no HPS de vítimas de queda de patinetes elétricos ocorreu na semana passada, quando uma média de quatro pessoas foram atendidas por dia. Segundo o diretor assistencial da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), Marcelo Lopes Ribeiro, a maioria das vítimas sofreu apenas traumas leves e escoriações, mas do total de casos ao longo do ano, cinco foram considerados graves.  Um deles ficou sete dias internado com traumatismo craniano, sendo dois dias no Centro de Terapia Intensiva (CTI). 

Um balanço feito pelo gestor revela que em abril foram aproximadamente 40 atendimentos. Em março e fevereiro foram registrados 18 e 12 acidentes, respectivamente. No mês do surgimento dos patinetes em BH, quatro vítimas procuraram o HPS.

"Esse gasto não estava previsto no orçamento", apontou Ribeiro. O especialista observou que as vítimas não usavam equipamentos de segurança, como capacetes, luvas e joelheiras, e trafegavam em velocidade acima do permitido. "Ninguém foi educado de como funciona o equipamento e qual a velocidade permitida. Aí cada passageiro utiliza como quer", criticou.

Normas

A Grin e a Yellow, empresas que compartilham os patinetes em BH, informaram que seguem todas as regulamentações do Contran para operar os equipamentos. "A Yellow, por meio de seu termo de uso - disponível no site e no próprio aplicativo -, orienta que os usuários sigam essa determinação. O pedestre é sempre prioridade, por isso a Yellow também orienta que os usuários estacionem os patinetes em um dos pontos privados parceiros ou em qualquer local da área de atuação, contanto que tome cuidado para não atrapalhar o fluxo de pedestres". 

A empresa ainda frisou que somente maiores de 18 anos podem usar os patinetes e que "todos os usuários precisam aceitar os termos de uso antes de alugar um equipamento da Yellow".

Veja abaixo algumas dicas para o uso seguro dos modais:  

- Antes de sair, planeje o caminho.

- Use sempre o capacete bem preso à cabeça e ajustado adequadamente.

- Não trafegar com mais de 1 pessoa;

- Idade mínima de 18 anos para locação de equipamentos;

- Dê sempre preferência ao pedestre. Lembre-se: o pedestre é o mais vulnerável. É obrigação de todos cuidar da sua segurança.

- Não use celular nem fone de ouvido enquanto conduz a bike ou o patinete. Esteja atento a sua condução.

- Respeite sempre os semáforos e as sinalizações de trânsito.

- Jamais conduza a bike ou o patinete se houver ingerido álcool.

- Segure sempre o guidão com as duas mãos.

- Esteja atento a irregularidades nas vias, como buracos, bem como galhos e árvores que possam oferecer riscos no seu trajeto.

Em BH, o preço do aluguel do patinete é de R$ 3 para o desbloqueio e R$ 0,50 para cada minuto de uso. As corridas podem ser pagas com cartão de crédito e dinheiro, e os créditos para uso das bicicletas podem ser comprados em dinheiro em estabelecimentos parceiros espalhados pela cidade.

Os patinetes estão disponíveis todos os dias da semana das 8h às 20h, em pontos parceiros. No final do dia a Yellow recolhe os patinetes para recarga, manutenção e limpeza. E na manhã seguinte, os disponibiliza novamente para uso nos pontos privados.

.

Leia mais:
Patinete elétrico chega a 10 capitais, mas ainda não há regulamentação
Sem regras, expansão da mobilidade em BH prejudica a locomoção de pedestres
Bicicletas Yellow são alvo de vândalos mais uma vez em Belo Horizonte