A partir desta segunda-feira (18), quem quiser entrar em Belo Horizonte, de carro ou ônibus, terá que passar por um “check-up” antes. Dez pontos de acesso à capital terão barreiras sanitárias. Outros oito estão em fase de instalação. Medir temperatura e responder a um questionário será obrigatório para evitar que pessoas possivelmente com Covid-19 circulem pela cidade e espalhem o novo coronavírus. A medida, inclusive, chega uma semana antes da data prevista para a flexibilização da quarentena na metrópole e é um dos indicadores para a retomada gradual das atividades.

Clique aqui e veja onde foram instaladas as barreiras sanitárias em BH

Em princípio, visitantes não serão barrados. Porém, os que apresentarem sintomas da doença que vem assombrando o mundo serão encaminhados ao centro especializado de tratamento contra a enfermidade, para a realização de exames.

A iniciativa é, para o infectologista Carlos Starling, essencial para controlar a infecção. “Belo Horizonte está numa situação estável, mas recebendo muita gente que vem de fora, inclusive, para fazer tratamento aqui, até pessoas de outros estados estão vindo para cá. É preciso verificar as condições em que elas estão chegando ao município”, destaca o médico, que integra o Comitê de Enfrentamento à Covid-19 criado na capital.

Checagem

Servidores da BHTrans, da Guarda Municipal e da Secretaria de Saúde de BH (SMSA) formam as equipes que estarão a postos nas entradas da metrópole. 

O descumprimento das medidas estipuladas, até mesmo na recusa da pessoa de se submeter aos procedimentos nas barreiras sanitárias, está passível de punição.

Os agentes da fiscalização, conforme decreto publicado no Diário Oficial do Município (DOM) na última sexta-feira, têm até mesmo a premissa de solicitar apoio policial nas ações.

A expectativa é a de que detalhes sobre a vistoria, inclusive as sanções relativas, sejam anunciados hoje, durante entrevista coletiva do prefeito Alexandre Kalil.

Viáveis 

Presidente da Associação Mineira de Municípios (AMM), Julvan Lacerda acredita que as barreiras sanitárias para fazer a triagem, orientação e direcionamento de quem entra numa localidade são viáveis neste momento de pandemia do novo coronavírus.

“No caso de Belo Horizonte, a principal cidade do Estado, é assim que deve ser feito. Não se pode é barrar o fluxo para lá, uma vez que o restante do Estado depende muito da capital”, avalia.

Mas quem vier para a cidade pode enfrentar demora na chegada.

Na semana passada, durante o anúncio da implantação das estruturas pelo prefeito Alexandre Kalil, o presidente da BHTrans, Célio Bouzada, informou que retornos serão criados nos pontos para as pessoas que não quiserem enfrentar possíveis filas.

Além disso

Locais de hospedagem em Belo Horizonte, como hotéis e albergues, também terão novas regras para lidar com os clientes a partir de hoje. De acordo com o decreto publicado no Diário Oficial do Município (DOM) na última sexta-feira, as normas de vigilância sanitária deverão ser observadas.

Ao dar entrada no estabelecimento, o hóspede terá que informar, em formulário, se teve contato com algum caso suspeito de Covid-19 nos últimos 14 dias. 

Se a resposta for positiva, a situação deverá ser relatada, por telefone, à Secretaria Municipal de Saúde (SMSA). Nesses casos, a pasta irá orientar sobre a medida de isolamento social.

Além disso, o acesso dos hóspedes a academias, piscinas e saunas de hotéis, albergues e afins está proibido. 

Leia também:
BH define 18 pontos para instalação de barreiras sanitárias contra a Covid; veja os locais
Confederação da indústria debate se coronavírus é uma doença ocupacional