Na próxima segunda-feira (17), alunos e professores de Psicologia da Faculdade Promove realizarão uma blitz educativa, em referência ao Setembro Amarelo, mês de conscientização e prevenção ao suicídio. A ação, aberta ao público, que ocorrerá das 18h30 às 19h00 na portaria da unidade do Prado, faz parte das atividades de extensão do curso e tem como prerrogativa os temas discutidos pelo Ministério da Saúde, Organização Mundial da Saúde (OMS) e os conselhos de Psicologia. 

Para Maria Rita Britto Tupinambá, coordenadora do curso, a blitz é importante por "quebrar o tabu sobre o tema". "O suicídio atualmente é responsável pela causa de mais mortes que doenças como câncer e AIDS, por exemplo, estando associados a sintomas psicológicos depressivos e ansiosos", explica a professora.  

A fala da coordenadora vai ao encontro da presidente do Conselho Regional de Psicologia de Minas Gerais (CRP-MG), Dalcira Ferrão. Segundo ela, "negar a existência do suicídio, não falar sobre ele, não impede que as situações deixem de ocorrer". A psicóloga ressaltou que é importante cuidar da saúde mental, não só em âmbito de reparação, como também no de prevenção. 

"Por isso, essas ações são importantes em uma perspectiva educativa, de entendimento, acolhimento de sofrimento dos sujeitos. É uma possibilidade de construir um projeto terapêutico com o paciente", explica. A blitz educativa será feita na rua Sarzedo, 31, bairro Prado, Oeste de BH. Balões, laços amarelos, típicos da campanha e mensagens de conscientização serão entregues.

Ajuda

Nesta semana, o Hoje em Dia publicou uma matéria sobre o auxílio das redes sociais como forma de prevenção ao suicídio. Na terça-feira (11), o Twitter estreou um serviço de notificações no Brasil. Quando alguém buscar por temas relacionados ao autoextermínio, o primeiro resultado será um incentivo para que ela procure ajuda. Já o Facebook divulgará vídeos de conscientização, em parceria com a ONG Nova Escola.

Além de contatar o usuário, as redes sociais indicam formas de buscar ajuda, como o Centro de Valorização da Vida (CVV), grupo de voluntários que dá apoio emocional, atendendo gratuitamente pessoas que precisam conversar, de forma anônima. O telefone para falar com algum voluntário do CVV é 188. A ligação é gratuita.

(Com Bruno Inácio)