Frida Kahlo, não a Salma Hayek do filme, mas de Minas Gerais. Tinha também, Hera Venenosa, a inimiga do Batman e um pirata do filme “Piratas do Caribe”. Tomando cerveja, estava um espartano do filme “300”. Estes são alguns dos personagens do bloco “Queimando o Filme”, que desfila pelas ruas dos bairros Santo Antônio, Região Centro-Sul de BH, na tarde deste sábado (23).

O bloco fundado há dois anos, reúne profissionais do mercado audiovisual de BH. Daí a explicação para a escolha dos personagens muito conhecidos do mundo da sétima arte.

O grupo é formado por integrantes de outros grupos carnavalescos, como da bateria Fora D'Sync, do Bloco Corte Devassa, do Bloco du Seu Pai, das Filhas de Gaby e dos Acadêmicos da Vila Estrela.

“A gente participa do bloco deles e eles, do nosso”, explica Marcela Recchioni, sobre o auxílio musical da Vila Estrela. Marcela é quem trajava a indumentária de Hera.

Na brincadeira também estava Frida Kahlo e Diego – não o “Rivera”. A exótica artista plástica mexicana foi lembrada pela arquiteta Ana Vitória Garcia, com direito a maquiagem com monocelha e muitas folhes no cabelo. “Mexicana aqui é somente a inspiração. O restante é tudo caseiro”, brinca.

E, pelo menos, o Diego é mexicano? “Meu marido se chama Diego mesmo, mas Diego Hayashi. Ele é editor de vídeo”. O marido da arquiteta de sobrenome oriental veio vestido com a fantasia do personagem do filme “Super Mario Bros”.

Desse jeito não vai faltar motivo para queimar o filme todo!