O presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira (12) que o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, está mantido no cargo. Segundo Bolsonaro, os problemas na pasta estão solucionados. 

"Teve um probleminha só com o primeiro homem dele, mas está tudo resolvido", afirmou o presidente, sem fazer referência a nome específico. O presidente brincou que, com cinco filhos, tem problemas "de vez em quando, imagine com 22 ministros". A declaração foi dada enquanto Bolsonaro aguardava a chegada do presidente do Paraguai, Mário Abdo Benítez, para um almoço no Palácio do Itamaraty. Foi a segunda visita oficial de um chefe de Estado desde que Bolsonaro assumiu o poder.

O Ministério da Educação passa por uma reformulação interna nos últimos dias. Na segunda-feira (11), foram exonerados seis funcionários comissionados. As demissões foram publicadas em edição extra do Diário Oficial da União. Dentre elas, as do secretário-executivo adjunto, Eduardo Miranda Freire de Melo; do assessor especial Silvio Grimaldo de Camargo; e do chefe de gabinete, Tiago Tondinelli.    

Em nota, o MEC afirmou que trata-se de uma reorganização do ministério e que as mudanças não vão reduzir as intenções de apurar e combater os indícios de corrupção na pasta ou frear o andamento da "Lava Jato da Educação". 

Sobre a situação do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, suspeito de envolvimento no direcionamento de verbas de campanha a candidaturas laranjas, o presidente afirmou: "Estou aguardando primeiro o relatório da investigação".

Leia mais:
MEC envia novo texto às escolas suspendendo orientação sobre filmagens
MPF pede explicação a ministro da Educação sobre carta para escolas