Já são 108 dias de buscas por vítimas em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte e neste domingo (12), o Corpo de Bombeiros começaram os trabalhos as 6h30 com uma homenagem ao dia das mães. Eles usaram os instrumentos de trabalho para escrever a palavra mãe, ao lado de um coração e uma flor.

A Barragem do Córrego do Feijão, da Vale, se rompeu no dia 25 de janeiro. De acordo com o último balanço divulgado pela Defesa Civil, 238 mortes foram confirmadas e 32 pessoas seguem desaparecidas. A tragédia também contaminou o Rio Paraopeba, um dos afluentes do Rio São Francisco. Os rejeitos devastaram a área administrativa da mineradora, incluindo o refeitório, onde muitos trabalhadores almoçavam na hora do rompimento.

Segundo a corporação, 161 militares vão percorrer 21 frentes de trabalho com o auxílio de 84 máquinas pesadas, 1 drone. As buscas, que ocorrerão até o pôr do sol, ficarão em áreas com solo mais seco da chamada zona quente.