Oito meses e quatro dias após o rompimento da barragem da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Grande BH, o Corpo de Bombeiros informou, neste domingo (29), que localizou um corpo inteiro no Remanso 4, nesta manhã, na área de buscas. A última localização de vítima havia ocorrido em 31 de agosto. 

De acordo com a corporação, o corpo ainda não foi identificado e está sendo periciado, nesta manhã, pela Polícia Civil. A localização ocorreu por volta das 10h15 deste domingo. 

Nesta data, 248º dia de operação de buscas a vítimas, os bombeiros atuam em 22 frentes de trabalho, com 147 militares e dois cães farejadores. 

Segundo os militares, a atualização do quadro de óbitos e desaparecidos da tragédia só ocorrerá, oficialmente, após a finalização do trabalho técnico pericial de identificação do corpo.

A lista oficial, ainda sem a inclusão do corpo encontrado neste domingo, apresenta 249 mortos e 21 desaparecidos. 

Veja nota oficial do Corpo de Bombeiros sobre a localização do corpo:

"Neste domingo, 29Set19, no 248º dia ininterrupto de buscas incansáveis por desaparecidos em Brumadinho em decorrência da tragédia do rompimento da barragem Córrego do Feijão, um corpo foi encontrado pelas equipes do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais em uma das frentes de trabalho conhecida como Remanso 04, por volta das 10h15 desta manhã. 

A localização se deu entre cinco e seis quilômetros do ponto do rompimento da barragem a uma profundidade de aproximadamente dois metros.

A localização foi mais uma vez possível graças ao trabalho de inteligência que está sendo realizado pelas equipes do CBMMG desde o início do atendimento da ocorrência, com um efetivo que envolve mais de 150 militares por dia.  

Ainda não se pode afirmar a atualização do quadro de óbitos e desaparecidos da tragédia antes do término da perícia de identificação do corpo.

Os dados oficiais só poderão ser confirmados após a finalização do trabalho técnico da Polícia Civil".

 

Até o momento, a tragédia segue sem punição.

Leia mais:
Tragédia em Brumadinho completa oito meses com 249 mortos, 21 desaparecidos e nenhum preso