Militares do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais que estão em Moçambique desde o início do mês em uma missão humanitária, devido à passagem do ciclone Idai, ajudam agora a recuperar os estragos deixados por um novo fenônomeno natural que atingiou o país africano na última semana. Desta vez, o ciclone Kenneth deixou mais de 3 mil casas destruídas e 18 mil pessoas desabrigadas. Nesta segunda-feira (29), a corporação ajudou a resgatar quatro corpos de pessoas que foram soterradas após a passagem da tempestade, na cidade de Pemba. 

De acordo com os militares que estão no país, uma casa foi atingida por resíduos de um lixão. A ação foi muito difícil, uma vez que havia risco de novos deslizamentos e dezenas de civis se recusavam a deixar o local.

Os bombeiros exigiram uma perícia devido à instabilidade do terreno, sendo que, durante as buscas, um dos militares atuou somente no monitoramento da movimentação dos resíduos, garantindo a segurança dos bombeiros mineiros, moçambicanos e, também, da comunidade local. 

Confira o vídeo que mostra a atuação dos bombeiros no local:

Ainda segundo a corporação, há risco de várias outras casas serem atingidas pelos resíduos no local. 

Os trabalhos dos mineiros que estão no Moçambique começaram ainda na madrugada de sexta-feira (28), horas após a passagem no segundo ciclone que atingiu o país em menos de dois meses. Os ventos foram superiores aos 280 km/h, ainda mais forte que o primeiro fenômeno, que atingiu a região no dia 14 de março e deixou mais de mil mortos.

 No primeiro dia e durante o fim de semana, os trabalhos foram principalmente de retirada de pessoas ilhadas e de casas com risco de desabamento, além do resgate de pessoas em situação de perigo, como uma grávida retirada de um local de risco pela corporação. 

Leia mais:
Novo ciclone atinge Moçambique
Bombeiros mineiros se emocionam com uso de bandeira do Brasil por mulheres em Moçambique
Bombeiros de Minas reconstroem escola e levam alimentos a região isolada em Moçambique