Além da união de diversas equipes humanas na busca por corpos embaixo da lama em Brumadinho, cães farejadores também têm sido determinantes nas operações. O cãozinho Thor, por exemplo, que veio de São Paulo, é o aliado do bombeiro Leonardo nas buscas em torno da área da Mina do Córrego do Feijão. Embora tenha 5 anos, o animal já é experiente na missão, uma vez que já trabalhou também nas operações resultantes do rompimento da barragem de Fundão na região de Mariana. 

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

“Eu sou o sargento Leonardo, esse aqui é o Thor. O Thor tem cinco anos e tá trabalhando muito, já encontrou um monte de vítimas por aí debaixo dessa lama. Agora ele vai descansar, tomar um suplemento vitamínico que os médicos veterinários vão passar pra ele e amanhã volta a trabalhar. Eu já perdi a conta de quantas pessoas ele achou já. Infelizmente, poucas vivas. Esse cão aqui já foi para varias missões comigo. Já esteve em Mariana, Herculano, Sardoá. O Thor trabalha muito comigo. Só hoje já fomos lá no pontilhão e perto do ônibus. Lugares de acessos muito difíceis.” #SPinvisivel #SP Essa semana estamos em Brumadinho contando histórias para a campanha #BrumadinhoInvisivel. Contribua no catarse.me/brumadinhoinvisivel (LINK NA BIO) para conseguirmos contribuir com a reconstrução da cidade! ​

Uma publicação compartilhada por SP Invisível (@spinvisivel) em

A Cruz Vermelha de Minas Gerais (CVB-MG) também tem desempenhado um importante papel nas ações. Os socorristas contam com a ajuda de cães que já atuaram em outras tragédias pelo mundo. Eles são oriundos da Espanha, Chile e Argentina, além do Brasil. 

Um dos trabalhos da CVB-MG, que envolveu nove cães farejadores e mais de seis horas de operação, resultou no encontro dos restos mortais de duas vítimas nessa quarta-feira (30).   

Segundo o diretor de Projetos da entidade, Bernardo Eliazar, os animais são dóceis e altamente treinados para esse tipo de situação. "Eles sentem o cheiro e apontam onde querem cavar, orientando as equipes que vão seguindo o rastro. Como o terreno era difícil, precisamos alternar as buscas entre os cães, para que pudessem descansar também", explica.  

Em alguns trechos do trabalho, a equipe gastou 40 minutos para avançar apenas 50 metros, como relata o socorrista do grupo Leonardo Tross. "Mesmo quando os cães apontavam para um local impossível de alcançarmos, mapeávamos aquele ponto como uma zona de interesse, em relatórios repassados ao Corpo de Bombeiros para o acesso, talvez, por meio de helicóptero", contou. 

Encontrado no lixo, cãozinho agora trabalha em Brumadinho  

Conforme mostrou a reportagem do G1, um cãozinho vira-lata preto, encontrado em um lixo de São Paulo há dois anos, hoje, é um dos cachorros que ajudam a encontrar os corpos em Brumadinho. Batizado de "Resgate", o cãozinho foi adotado na época e demonstrou ter talento para farejar. Desde então, tem sido treinado para este fim. 

Ele faz parte do grupo de voluntários "Resgate sem Fronteiras",  e também já atuou nas operações de busca em Mariana, quando a barragem de Fundão se rompeu em 2015. 

Leia mais:

Número de animais resgatados em Brumadinho sobe para 57
MPMG recomenda à Vale plano de resgate para animais em Brumadinho
Órgãos oficiais se manifestam sobre eutanásia de animais na área destruída em Brumadinho