Entre os seis integrantes de uma quadrilha especializada em roubo a bancos e carros que foram mortos na última quarta-feira (26), durante troca de tiros com a polícia na zona rural de Padre Carvalho, no Norte de Minas Gerais, estava um candidato a vereador na última eleição do município. José Mendes Sá, de 36 anos, concorreu em 2016 a uma vaga na Câmara da cidade mineira - que tem menos de 6 mil habitantes - pelo PPS, mas conseguiu apenas 17 votos. 

Em seu registro eleitoral, o "político" disse ser mecânico de manutenção e ter o ensino médio completo. O criminoso era natural da cidade de Teixeira de Freitas, na Bahia. Durante coletiva de imprensa, o major Flávio Santiago, porta-voz da Polícia Militar (PM), contou com detalhes como foi o embate com a quadrilha. 

"Há cerca de dois dias nós tivemos uma ação envolvendo as inteligências da PM da Bahia, de Minas e, também, da PF. Foi feito o monitoramento dessa quadrilha especializada e determinamos um perímetro estabelecido de ação. Colocamos equipes em pontos específicos e, em dado momento, foi avistado um Renault Oroch em alta velocidade que foi seguido, até que o veículo entrou em uma estrada vicinal e parou perto de uma ponte de madeira", detalha. 

candidato vereador morto
José Mendes Sá estava entre os mortos pela polícia

Os policiais iniciaram então a aproximação dos cerca de dez suspeitos, que no momento estavam em uma casa, porém, cães da região latiram e acabou entregando a localização dos militares. "Eles começaram a efetuar disparos de fuzis e os nossos homens revidaram. Quando chegamos no imóvel, percebemos alguns suspeitos feridos e outros fugindo. Fizemos o cerco, mas entre quatro e cinco criminosos seguem sendo procurados", complementa Santiago. 

Os seis homens feridos, entre eles o candidato a vereador, foram socorridos para o Pronto-Socorro de Salinas, na mesma região, mas não resistiram aos ferimentos. No imóvel, foram apreendidos pela PM quatro fuzis, uma espingarda, três pistolas, coletes balísticos e grande quantidade de explosivos. 

Quadrilha tinha capacidade para "resgatar presos"

Ainda de acordo com o major Santiago, o bando tem ramificações na Bahia e outros estados, como Goiás e Minas. "O que sabemos é que eles são especializados em explosão de caixas eletrônicos, carros fortes - inclusive tinham explosivos preparados para esse tipo de ação - e, também temos informações, de envolvimento deles em resgate de presos", completa o policial. 

Questionado se eles estariam envolvidos na tentativa de resgate frustrada de dois detentos do PCC, ocorrida em dezembro de 2018 em Francisco Sá, também no Norte do Estado, o porta-voz da PM não confirmou a informação, dizendo apenas que o bando teria "esse tipo de capacidade". 

Policiais da região passaram por treinamento

Diante das ações de quadrilhas especializadas neste tipo de crime na região, a PM realizou treinamentos com os homens lotados nas divisas de Minas Gerais. "Temos várias estratégias contra essas ações. Todos os policiais da região foram treinados pelo Batalhão de Operações especiais; temos brindados em teste em algumas cidades do interior; além da fortificação da inteligência da corporação e o cruzamento de informações com outros estados", pontua. 

Outro ponto destacado pelo major Santiago foi a parceria firmada com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), que possibilita que a polícia tenha acesso às imagens de câmeras de segurança, em tempo real, a partir do momento que chega um alerta de ataque a agência bancária. 

Leia mais:
Seis criminosos fortemente armados morrem em confronto com a Polícia Militar no Norte de Minas
Polícia caça suspeitos de ataques a bancos em Uberaba nas possíveis 'rotas de fuga'
Polícia liberta sete reféns e prende 10 bandidos em Uberaba; armamento é apreendido

Confira fotos dos armamentos apreendidos após o tiroteio: