Uma das medidas mais eficazes, principalmente para quem ronca em decorrência de alergias e doenças respiratórias, são exercícios específicos de fonoaudiologia. Prescritos por profissionais certificados em Medicina do Sono, incluem novas formas de mastigar, engolir e de falar, ajudando a devolver o tônus à musculatura fragilizada e impedindo que o problema volte. 

Presidente do Comitê Interdisciplinar de Fonoaudiologia do Sono da ABS, Esther Bianchini explica que as atividades devem fazer parte da rotina, até mesmo de quem já se livrou do ronco. Semelhantes à musculação, que fortalece o corpo, os exercícios, ensinados em consultório e perpetuados em casa, ajudam a recuperar a firmeza dos músculos envolvidos na respiração. O tratamento básico inclui sessões semanais e pode durar até três meses.

“Quando um paciente me pergunta quando ficará livre (dos exercícios), respondo: ‘no mesmo dia em que puder parar de escovar os dentes’”, brinca Esther, certificada em fonoaudiologia do sono pela ABS. 

Na prática, o passo a passo ensinado pelo especialista funciona mais ou menos como uma ginástica voltada para o aparelho respiratório. Por causa de alergias ou de alterações anatômicas, como o desvio de septo nasal ou a hipertrofia da adenoide, algumas pessoas criam o hábito de respirar pela boca, mesmo depois de terem o problema inicial tratado.

“De maneira geral, pode acontecer de a pessoa ficar com a musculatura flácida mesmo voltando com a respiração normalmente, pelo nariz. A sugestão é incluir os exercícios em atividades que já fazem parte da rotina”, acrescenta Esther Bianchini. 

Leia Mais:

Comum em mais de 30% da população, ronco pode e deve ser tratado

Confira outras estratégias que ajudam a frear o problema:

Arte roncoClique para salvar ou ampliar a imagem