Começa nesta segunda (29), a captura das capivaras da orla da Lagoa da Pampulha, em Belo Horizonte. Há pelo menos 10 dias os animais são monitorados por biólogos e a previsão é que o processo de remoção inicie até as 22h. De acordo com a prefeitura de Belo Horizonte, dois métodos poderão ser usados na captura.
 
Na primeira tentativa de captura, as capivaras serão cercadas por uma tela que não permite a saída delas. Esses equipamentos foram montados em dois pontos da Lagoa. Um deles está localizado em frente ao Museu de Arte da Pampulha e o outro nas proximidades do Parque Ecológico. Para que entrem nas gaiolas, os animais serão atraídos por cana de açúcar. Caso a primeira alternativa de captura não dê certo, será utilizado dardos com tranquilizantes.  De acordo com a prefeitura, não há prazo para a finalização de cada método de retirada dos animais.
 
Segundo o vice-prefeito de Belo Horizonte,Délio Malheiros, a estimativa é de que 100 capivaras sejam retiradas do local. "Os animais ficarão em quarentena, passarão por exames e depois de verificado que não há risco de doença e contaminação será providenciado um local permanente para elas".
 
Os animais retirados da orla serão encaminhados para um local construído dentro do Parque Ecológico da Pampulha. As capivaras ficarão cerca de 100 metros distantes do local de visitação da unidade. 
 
O principal risco que os animais apresentam é em relação à febre maculosa – infecção causada por uma bactéria e transmitida pelo carrapato-estrela. Como a capivara é um hospedeira do carrapato, pode transmitir a doença ao homem. 
 
A administração municipal também estuda a abertura de uma licitação de controle de manejo permanente. O objetivo é de que caso novas capivaras apareçam na orla, os animais sejam retirados do local.
 
Jacarés
 
A Prefeitura de Belo Horizonte também estuda o impacto que os 21 jacarés encontrados nas águas da Lagoa da Pampulha terá na região. De acordo com o vic-prefeito Délio Malheiros, está sendoe studando qual impacto os animais irão causar no local após a abertura das lagoa para a realização de esportes aquáticos previsto para o ano que vem, logo após o término dos trabalhos de despoluição das águas. No mês passado, ovos da espécie foram encontrados próximo ao Parque Ecológico. 
 
Atualizada às 18h30