Idealizada pela Arquidiocese de Belo Horizonte como um espaço destinado à espiritualidade, cerca de 20% dos R$ 100 milhões necessários para a construção da Catedral Cristo Rei já foram arrecadados pela instituição. Os valores foram revelados pelo arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, dom Walmor Oliveira de Azevedo que, nesta semana, concedeu entrevista exclusiva ao Hoje em Dia. O recurso em mãos ainda é pouco se comparado com o custo total da obra, admite ele. Mas o suficiente para dar os primeiros passos e, mais do que isso, a prova de que milhares de católicos abraçaram o projeto. “Consideraria temerário e até constrangedor se tivéssemos todo o valor necessário. Como igreja, é importante que esse caminho seja feito aos poucos, com a colaboração de muitas pessoas que acreditam no nosso trabalho”, afirmou. Catedral de BH

Sem dinheiro de reserva, Dom Walmor é cauteloso ao estipular uma data para que a construção, assinada por Oscar Niemeyer, fique pronta. “Pode durar apenas um ano, ou um século”, disse. Mas, discretamente, nutre o desejo de ver a catedral concluída em 2021. O motivo é simples. A data é simbólica para a Igreja. Será o ano da comemoração do centésimo aniversário da arquidiocese da capital. Localizada na avenida Cristiano Machado, no bairro Juliana, na região Norte de Belo Horizonte, uma das preocupações de Dom Walmor é com o trânsito no local – já complicado pela presença de um shopping, uma faculdade e um hospital. Obras da igreja

“Nossos técnicos estão discutindo o assunto com a BHTrans. Há duas propostas em análise”. Mas se dependesse apenas dele, Dom Walmor escolheria o projeto de transformar o local em uma espécie de grande boulevard, deixando o trânsito pesado a cargo de uma trincheira. Multiuso Está prevista para a Catedral Cristo Rei espaços para catequese, cursos, oficinas, formação de lideranças, de promoção da cidadania, Núcleo de Fé e Política, além de biblioteca e espaço multiuso.