A Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH) reiterou, nesta quarta-feira (12), a solicitação para que a Prefeitura de Belo Horizonte considere a abertura do comércio não essencial aos sábados. Para a entidade, os índices de monitoramento da epidemia de Covid-19 permitiriam essa flexibilização, já que o Número Médio de Transmissão por Infectado está em 0,87 e houve uma redução na taxa de ocupação de leitos reservados a pacientes com a doença.

“Agora, o único índice que não está na fase verde é o de ocupação de leitos de UTI. Mas está com tendência de queda. Os outros dois estão na fase verde. Significa que podemos avançar mais no processo de reabertura gradual do comércio. Solicitei a abertura aos sábados porque quem conhece Belo Horizonte sabe que este é um dia de muito movimento no comércio”, afirmou o presidente da CDL/BH, Marcelo de Souza e Silva.

A Prefeitura de Belo Horizonte afirmou que a definição do funcionamento de quarta a sexta-feira foi formalizada pelo Sindicato de Lojistas (Sindlojas), em reunião com a presença do presidente da CDL, Marcelo de Souza e Silva,  e de inúmeros outros representantes de entidades.

“Foi feita, inclusive, uma votação durante o encontro, o que confirmou a proposta apresentada pela representação do setor de se abrir sem o sábado. Portanto, atendemos a solicitação feita pelos próprios comerciantes,  que a fizeram considerando o momento em que estamos vivendo e a adequação necessária diante da pandemia”, afirmou a administração municipal.

Leia mais:
Com 21% dos infectados mortos, Lindeia é o bairro mais afetado pela Covid em BH
MPMG vai monitorar índices da Covid em BH para decidir se pede o fechamento do comércio na Justiça