A tradição da ceia de Natal começou na Europa há muitos anos. Era sinônimo de hospitalidade ao receber peregrinos e viajantes. Com o avanço do Cristianismo, passou a ser realizada para celebrar o nascimento do menino Jesus.

Hoje, cada país tem os seus pratos típicos natalinos. Aqui no Brasil, a ceia tem salpicão, maionese, chester, peru, além de sobremesas tradicionais como rabanada e pavês. Mas é preciso ter equilíbrio entre os alimentos mais gordurosos e os mais saudáveis.

Para a nutricionista Natália Teixeira, coordenadora do curso de Nutrição da Faculdade Kennedy de Belo Horizonte, a lembrança afetiva de determinados pratos não pode ser deixada de lado. Ela sugere que o cardápio da ceia tenha o equilíbrio entre as comidas que simbolizam o Natal para cada família, mas que venha acompanhado de pratos mais leves, como as saladas.

Natália Teixeira também dá dicas de armazenamento e reaproveitamento dos alimentos para evitar a contaminação por microbactérias que podem causar mal-estar ou até intoxicação.  

Acompanhe a entrevista na íntegra.