No dia em que completa 74 anos, o tradicional copo lagoinha ganha mais um significado em Belo Horizonte. Uma parceria da cervejaria Wäls com a ONG Viva Lagoinha lança, nesta quarta-feira (20), a Casa Viva Lagoinha. O local vai servir como um centro cultural e gastronômico de referência no bairro, localizado na região Noroeste de BH.

Responsável pela entidade, que celebra 10 anos, Filipe Thales acredita que a abertura do espaço vai permitir as mais diversas trocas culturais dentro de uma área muito importante na história da capital mineira. "A casa vai ser uma grande troca entre todos. Aqui vão acontecer experiências gastronômicas, vamos trabalhar, receber pessoas da comunidade e ainda criar um ponto de encontro", explica.

Casa Viva LagoinhaParceria dá mais um significado ao tradicional Copo Lagoinha

Filipe conta que o evento marca a parceria com Wäls e a nomeação dele como embaixador do Copo Lagoinha em BH. O convite foi feito pela empresa Nadir Figueiredo, conhecida nacionalmente por fabricar produtos de vidro, dentre eles o Copo Lagoinha. "Estamos brincando que a casa agora é a Embaixada da Lagoinha, e isso deixa o dia de hoje ainda mais especial".

A expectativa da iniciativa é reforçar o bairro como uma das origens da capital mineira. Atividades culturais, paisagens naturais e projetos sociais serão reforçados em prol da comunidade e da exaltação do lugar, por muito tempo esquecido na cidade.

"A ideia é mostrar que quanto mais esse copo enche, mais ele ajuda a sociedade", afirma João de Menezes, gerente de Marketing da Wäls. A cervejaria é parceira do projeto desde 2019, quando lançou um rótulo específico para o Copo Lagoinha. Apesar do pouco tempo, o impacto já é considerado expressivo, e antecipa outras medidas capazes de transformar uma região com base na cultura. "Nós estamos estudando formas de ampliar essa parceria, e a partir do ano que vem já devemos ver novidades com foco na gastronomia para todos. Queremos fazer microrevoluções no bairro e trazer cada vez mais pessoas", afirma Menezes.

Para quem mora e trabalha na região, a expectativa é de transformações que partem da união e da troca de experiências. Camilo Gran, parceiro do projeto e agente social no bairro, tem previsões otimistas agora que a ideia é cada vez mais forte.

"Todo movimento precisa de um núcleo de base. A luta fez o Viva Lagoinha ganhar seu endereço oficial, e isso tem um significado para a região", ele conta. "Espero que cada vez mais pessoas possam conhecer o local, porque a renovação é fundamental para projetos como esse manterem o crescimento. Desde da arquitetura até a gastronomia, que já é forte, ficarão ainda maiores na Lagoinha", conclui.