Um centro terapêutico dedicado à recuperação de dependentes químicos em Juiz de Fora, na Zona da Mata, foi interditado nesta quarta-feira (3). A decisão aconteceu após inspeção realizada por Ministério Público de Minas Gerais, Vigilância Sanitária, Secretaria de Desenvolvimento Social, Conselho Regional de Medicina, Polícia Militar e Departamento de Saúde Mental do município.

De acordo com o Ministério Público, a instituição fazia internações involuntárias e havia indícios de falta de prévia avaliação do dependente químico, ausência de laudo médico de admissão do paciente e de relatório com a manifestação dos residentes contrários a permanência no estabelecimento.

“Os usuários relataram que eram obrigados a praticar todas as atividades propostas e, caso não concordassem, eram impedidos de terem contato com familiares ou forçados a ingerirem coquetel com medicamentos sedativos. Outros ainda afirmaram que sofriam coações, ameaças e violência física, como chutes, tapas e esganadura”, disse o promotor de Justiça Jorge Tobias de Souza.

O MP informou também que, no local, foram apreendidos medicamentos de controle especial por falta de prescrição médica e por estarem acondicionados de forma imprópria.

A instituição foi comunicada que tem até dez dias para promover o regresso dos residentes a seus familiares ou os encaminhe a instituições regularmente licenciadas. Ao fim desse prazo, o responsável pelo local deve apresentar ao departamento de Vigilância Sanitária de Juiz de Fora um relatório informando a destinação dada aos pacientes.

A reportagem do Hoje em Dia tentou contato telefônico com representantes do centro terapêutico e enviou e-mail, mas não obteve retorno.