Cerca de 3 mil pessoas participaram de um ato em defesa da Amazônia e contrário à política ambiental do Governo federal na manhã deste domingo (25), na Praça do Papa, na região Centro-Sul de Minas Gerais. Pessoas levaram cartazes e faixas em nome do meio ambiente e com palavras de ordem contra o presidente Jair Bolsonaro.

O ato foi convocado pelo coletivo de ativistas Alvorada e pelo Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e faz parte de uma série de manifestações convocadas em grandes cidades brasileiras para demonstrar repúdio à posição do Governo Federal em relação às queimadas que estão acontecendo na Amazônia.

“A intenção inicial era fazer um piquenique como um ato, mas a manifestação acabou ganhando proporções muito maiores”, afirma o artista plástico Munish, um dos coordenadores do coletivo Alvorada. “A Amazônia representa a soberania nacional e viemos mostrar que somos contrários a essa política neoliberal do Governo que afeta todo o meio ambiente”.

Para participar da ação, o MAB chegou em Belo Horizonte de ônibus, com cerca de 40 atingidos pelo rompimento da barragem da Mina do Córrego do Feijão, moradores de Brumadinho e Betim. “Brumadinho recebeu muita solidariedade após a tragédia e, agora, queremos também expressar a nossa solidariedade ao povo da Amazônia, que está sofrendo com as queimadas”, afirma Miqueias Ribeiro de Carvalho, um dos coordenadores do MAB.

Nascido em Rondônia, ele conhece de perto o drama dos povos que vivem na Amazônia. “Aqui o povo sofreu com a lama, lá sofre com o fogo das queimadas. Todos nós temos que nos posicionar politicamente”, afirmou.

A estudante Camila dos Santos, de 22 anos, esteve presente ao ato e está preocupada com os caminhos que o Governo tem tomado em relação ao meio ambiente. “Agora, o mundo todo está de olho no que o Brasil tem feito em relação à preservação da Amazônia e seus outros biomas. Não dá mais para manter aquele discurso contrário aos ambientalistas, pois corremos o risco de sofrer sanções econômicas”, disse.

O comerciante José Macedo, de 45 anos, nunca havia estado em uma manifestação antes. Neste domingo, decidiu ir até a Praça do Papa pois acredita que a pauta da defesa do meio ambiente é a mais importantes de todas. “Temos que agir para que haja planeta Terra para as futuras gerações. Se a temperatura continuar subindo, por causa do aquecimento global, como será daqui 50 anos?”

Na última sexta-feira (23), o presidente Bolsonaro fez um pronunciamento à Nação em que se comprometeu a trabalhar no combate às queimadas e reforçou o oferecimento de ajuda aos Estados amazônicos. 

Leia mais:
Protesto em defesa da Amazônia na Praça do Papa tem homenagem às vítimas de Brumadinho
Papa Francisco pede orações urgentes para acabar com os incêndios no Brasil
Estados pedem mais ajuda contra fogo na Amazônia; governo envia Força Nacional