O juiz Glauco Soares Fernandes, do 1º Tribunal do Júri do Fórum Lafayette, em BH, anunciou na madrugada desta sexta-feira (11) a condenação do fazendeiro Adriano Chafik Luedy e do capataz dele, Washington Agostinho da Silva, pela "Chacina de Felisburgo". Chafik pegou 115 anos de prisão, enquanto que Washington foi sentenciado a 97 anos e seis meses pelos crimes de homicídio qualificado, lesão corporal, incêndio e formação de quadrilha. A sentença foi lida às 2 horas. Os réus foram absolvidos em relação a tentativa de homicídio contra 5 das vítimas.

Ao fixar a pena dos acusados, com base no veredicto dos jurados, o juiz considerou que foram reconhecidos as qualificadoras e os agravantes, como os de crime cometido contra idoso e contra menor de idade.

O juiz Glauco Fernandes concedeu aos réus o direito de recorrer em liberdade, considerando que eles estão beneficiados por liminar do STJ. O promotor requereu o recolhimento dos passaportes dos réus, solicitação que o juiz vai avaliar para decidir até segunda-feira 14 de outubro.

Após três júris adiados e a um mês de completar nove anos da "Chacina de Felisburgo", região do Vale Jequitinhonha, dois dos quatro réus, tiveram o julgamento desmembrado na manhã desta quinta-feira. Eles são acusados de matar cinco sem terra em um assentamento na fazenda Alegria e ferir outros 12, entre eles uma criança em novembro de 2004.

Segundo o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), Francisco Rodrigues e Milton Francisco de Souza irão à júri somente no dia 23 de janeiro de 2014. O desmembramento foi acatado pelo juiz Glauco Soares Fernandes após solicitação da defesa do fazendeiro Adriano Chafik, acusado de ser o mandante do crime, e de Washington Silva. (¨Com TJMG)