As fortes chuvas dos últimos dias têm prejudicado o deslocamento de motoristas que passam pela rodovia MG-20, principal rota de acesso a bairros da região Norte da capital passando por Santa Luzia, na Grande BH. Em um trecho de apenas cinco quilômetros, buracos, pontos de alagamento e muita lama exigem atenção redobrada para evitar acidentes.

As condições do asfalto, que segundo os condutores já eram precárias, ficaram ainda piores. O pavimento irregular, repleto de rachaduras, é perceptível em vários pontos. Às margens do bairro Novo Tupi, também na zona Norte da capital, há uma cratera com mais de um metro de largura.

“Passei aqui no fim de semana e, não só furou o pneu do carro, como empenhou a roda. Estava chovendo, não deu para ver”, disse o administrador Roberto Carvalho, de 35 anos, que mora em Santa Luzia e pega a estrada diariamente para trabalhar em Belo Horizonte.

O buraco citado impede o tráfego de veículos em metade da pista duplicada. Na manhã de ontem, uma câmera de ar rasgada também indicava danos sofrido por outro motorista.

Para a professora Vanessa de Freitas Cunha Lins, do Departamento de Engenharia Química da UFMG, manutenção e fiscalização são ações que podem evitar buracos nas rodovias. “Se as trincas no asfalto começam, é necessário que haja uma ação preventiva para que as espessuras não progridam”, explica Vanessa.

Segundo motoristas, asfalto que já era ruim está ainda mais precário na MG-20

Segundo motoristas, asfalto que já era ruim está ainda mais precário

Aguaceiro

Próximo à Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do Ribeirão da Onça, no bairro Monte Azul, um dos compartimentos responsáveis em levar a água da chuva para a rede pluvial está entupido exatamente em uma curva perigosa. O ponto de alagamento que se formou obriga os motoristas a fazer manobras arriscadas.

Buracos, pontos de alagamento e muita lama prejudicam a circulação de veículos na estrada que dá acesso a outras cidades da Grande BH

“Com esse aguaceiro do lado direito, todos trafegam no canto esquerdo. Porém, algumas pessoas andam em alta velocidade e só percebem a poça quando dão de cara com ela. O risco de acidentes é enorme”, disse um motoboy, que passava pelo local.

Cuidados e reparo

Tenente do Corpo de Bombeiros, Herman Ameno reforça que o período chuvoso requer atenção redobrada. Ele destaca ser preciso andar ainda mais devagar. “É importante reduzir a velocidade principalmente ao passar em algum lugar coberto por água. Com o carro em marcha mais lenta, o dano ao passar por um buraco, por exemplo, pode ser amenizado”.

Alagamento obriga motoristas a trafegar em uma faixa na MG-20

Alagamento obriga motoristas a trafegar em uma faixa

A responsabilidade pelo trecho citado na reportagem é do Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DEER/MG). Em nota, o órgão informou que técnicos já iniciaram os trabalhos para avaliar a situação e propor soluções para a recuperação da rodovia. 

“Durante o período chuvoso, o Departamento mantém o plantão permanente a fim de solucionar ocorrências emergenciais como a desobstrução do sistema de drenagem, sinalização e operação tapa-buracos”. 

(Com colaboração de Simon Nascimento e Lucas Eduardo Soares)