Técnicos dos institutos Estadual de Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha), do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e da Fundação Municipal de Parques aguardam a estiagem da chuva para realizarem a limpeza dos azulejos da Igreja São Francisco de Assis, na Pampulha. 

Há 15 dias, o patrimônio foi novamente pichado por vândalos. No ano passado, a Prefeitura de Belo Horizonte gastou R$ 8.000 na limpeza da estrutura. Desta vez, o material que será utilizado na 'faxina' da área afetada - águarrás, algodão e solvente automotivo - será disponibilizado pela Arquidiocese da capital mineira.

A assessoria do Iepha informou que foram realizados testes para a avaliação dos danos causados no revestimento externo da igrejinha e garantiu que o material utilizado na limpeza não danificará as peças.

Ainda segundo o Iepha, a previsão era de que a limpeza começasse nesta terça-feira (28). Porém, por causa da chuva, os trabalhos foram suspensos. A expectativa é a de que a recuperação da área danificada seja a partir de quarta-feira (29), quando há previsão de estiagem das precipitações na Grande BH.   

Leia mais:
Retirada de pichação da igrejinha da Pampulha será mais difícil do que anterior, diz Iphan
Autor de livro 'Perfeitaísmo' é interrogado sobre vandalismo na Igrejinha da Pampulha
Polícia Civil começa interrogatórios para chegar aos pichadores da Igrejinha da Pampulha