As imagens de um vendaval destelhando casas e derrubando árvores, na região do Sul do país, na terça-feira (31), deixaram muita gente preocupada. Por lá, o "ciclone bomba" provocou rajadas de vento de até 130 km/h, chuvas torrenciais, queda brusca de temperatura, destruição, pânico e mortes. Mas e por aqui? Há risco de o fenômeno chegar a Minas?

Após surgir nas proximidades do Paraguai, o ciclone extratropical passou por Rio Grande do Sul e Santa Catarina, causando a morte de dez pessoas. Porém, ele começa a perder força, justamente por estar se deslocando.

Em Minas, não há riscos já que o estado está afastado do oceano. “Vai atuar com força apenas no Sul do país", garante o meteorologista Cleber de Souza, do Instituto Nacional de Meterologia (Inmet).

Por aqui, o fenômeno pode provocar nebulosidade, mas nada que seja preocupante. O especialista diz que nos próximos dias uma massa de ar polar deve provocar quedas de temperatura no fim de semana - essa, sem qualquer relação com o ciclone.  Em Belo Horizonte, a mínima pode chegar a 13ºC, com máxima de 24ºC. No interior, há previsão de chuva nas regiões Leste, Sul e Zona na Mata.

O fenômeno

Ciclones podem ocorrer em qualquer época do ano, mas são mais frequentes no inverno. O extratropical surge por causa da baixa pressão, relacionada ao tempo ruim (chuvas e ventos fortes). "Quando ela ocorre em um curto período de tempo, com intervalo menor de 24 horas, recebe o nome de bomba", explicou Cleber de Souza.

Confira imagens: