Há dois anos sem desfilar no Carnaval de Belo Horizonte, o bloco Ordinários chega com uma novidade em 2019: a Ala Inclusão. O cortejo, que acontece ao som dos sucessos do grupo baiano É o Tchan, é nesta terça-feira (5), a partir das 10h, e vai contar com um espaço exclusivo para pessoas com necessidades especiais.

A iniciativa foi de uma das fundadoras do bloco, Elisa Santana. De acordo com ela, a ideia surgiu graças à empolgação do próprio irmão, que é altista, com a folia. "Ele sempre me via organizando o bloco e eu percebia que ele sempre ficava empolgado, animado, mas triste por não participar da festa por não ter a segurança de um local apropriado", explicou Elisa.

A alegria contagiante de Leandro Santana, de 35, com o Carnaval pode ser vista em um vídeo publicado no Instagram de Elisa, no qual convida os foliões a participarem da festa com ele. "Vai ser na terça-feira, na avenida Brasil, e eu vou estar lá, na Ala Inclusão", comemora no vídeo.

A ala vai funcionar com uma corda que vai garantir um espaço seguro para todas as pessoas com necessidades especiais que quiserem participar do cortejo do Ordinários, conforme contou Elisa. "Vários voluntários já estão inscritos para levarem a corda e esperamos cerca de 50 pessoas na Ala Inclusão", comemorou a organizadora. Pessoas com deficiências de qualquer tipo que estiverem no desfile podem entrar na ala, basta que procurem alguém da organização.

Quebrando tabus

Para Elisa, esse tipo de iniciativa é muito importante e ela espera que consiga quebrar estereótipos e preconceitos enraizados na sociedade sobre as pessoas com algum tipo de deficiência. "O Carnaval é uma festa muito democrática, onde todos se divertem como iguais, e era preciso que se incluísse as pessoas com necessidades especiais nesta festa. Eles podem aproveitar e se divertir como todos nós, desde que sejam garantidos esses locais seguros e acolhedores para eles", ressaltou.

Elisa contou que, por causa da vivência desde a infância com o irmão, ela já se envolve há muito tempo com iniciativas que buscam promover a inclusão em diversas esferas da sociedade. Apesar do trabalho intenso com a causa, ela contou que para o Carnaval este foi o primeiro projeto. "Queremos um bloco democrático, com máximo respeito, e estamos muito felizes por poder promover esse momento às pessoas com necessidades especiais", finalizou.

O bloco

Criado em 2014, o Ordinários tem 70% de seu repertório baseado nos sucessos do É o Tchan, que fez sucesso com axés dançantes na década de 1990. O bloco arrastou cerca de 50 mil foliões, de acordo com Elisa Santana, no último ano em que desfilou, em 2016.

Fora do Carnaval em 2017 e 2018, a organizadora espera que o retorno atraia 20 mil foliões no desfile da terça-feira, quando a banda composta por 12 pessoas vai subir a avenida Brasil no sentido Praça Tiradentes acompanhada pelo corpo de baile com 30 dançarinos, que ensaiam as coreografias das músicas desde setembro de 2018.

Serviço:

Bloco Ordinários
Dia: 5 de março, terça-feira
Local: Esquina entre a avenida Brasil e a rua Padre Rolim. Cortejo sobe a avenida até a Praça Tiradentes.
Horário da concentração: 10h