A barragem Dique B3 Ipê, da Mina do Ipê, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, não teve mudança no risco de desabamento, informou a Agência Nacional de Mineração (ANM), nesta terça-feira (28). A estrutura foi vistoriada durante o dia após os piezômetros indicarem alterações na estrutura.

Apesar do alerta dos aparelhos, vistoria feita em conjunto entre ANM e Defesa Civil concluiu que as alterações indicadas ocorreram por causa das fortes chuvas que atingiram a Grande BH, por processos naturais. Nesta tarde, durante a vistoria, os mecanismos já tinham retornado às medições normais.

Em entrevista à rádio Itatiaia, o coordenador adjunto da Defesa Civil em Minas, Flávio Godinho, disse que seria necessário fazer a leitura dos piezômetros para indicar quais eram as medidas a serem adotadas na cidade, inclusive a remoção de famílias que estejam no dam break, estudo que indica impactos do rompimento.

Ainda segundo Godinho, caso haja algum problema no futuro com relação à barragem, será necessário uso de um dinheiro que está bloqueado na Justiça, já que a Dique B3 está desativada há mais de 10 anos, e é alvo de litígios entre sócios e ex-donos na Justiça.

"Ano passado nós tivemos algumas ações (na Justiça) sobre essa barragem. Existe um litígio, uma questão na Justiça, entre os proprietários sobre o ativo desta barragem. É uma barragem que tem um recurso já bloqueado na Justiça, um recurso financeiro, que se necessário for vai sim ter todo um contato dentro do Ministério Público que nos apoia para dar apoio para as ações até de realocação dessas pessoas”, afirmou.

A Emicon mineração, que não atua no local, mas é a proprietária, não se manifestou.

Leia Mais:
Papa Francisco lembra um ano da tragédia em Brumadinho e lamenta contaminação de rio; veja vídeo
Prorrogado estado de alerta para barragens em Minas, Rio, Goiás e ES
Estudo amplia área de risco de barragem da Vale em Macacos e mais famílias serão retiradas de casa