Um policial militar morreu, por volta das 7h30 deste domingo (14), no Hospital Municipal de Contagem, na Grande BH, depois de ser baleado pela própria PM em uma perseguição durante a madrugada.

Os disparos foram efetuados durante uma ação no bairro Chácaras Cotia. Um denunciante teria chamado a Polícia por conta de uma suposta festa, cujos presentes estariam armados. A circunstância não foi verificada pelas guarnições.

Contudo, foi encontrado no local um gol da cor preta, com o motor ainda quente. Como outro solicitante havia também entrado com denúncia sobre um homem que estaria batendo em sua porta com uma arma, foram montados cercos nos arredores. Entre dez e 15 oficiais participaram da ação, segundo informações do major Flávio Santiago, porta-voz da Corporação.

Quando as viaturas deixaram a frente do imóvel, onde o carro estava estacionado, o cabo que servia à corporação há aproximadamente nove anos deixou a residência na tentativa de fugir com o veículo.

Ele desrespeitou a ordem de parada dos colegas, ainda na frente da casa e também em dois outros pontos no decorrer do percurso. Como ele atirava, ameaçando a vida dos militares em operação e jogava o carro contra outros veículos, foi alvo de diversos disparos, que a PM não soube quantificar.

O suspeito apenas parou o veículo após colidir com uma placa de sinalização, já ferido. Só então ele se apresentou como policial e disse estar no ambiente "resolvendo uma questão que envolvia uma mulher".

Por estar sangrando, foi socorrido e levado para o hospital, onde passou por cirurgias durante a madrugada, antes de morrer. Com ele, foram encontradas uma arma da corporação, quatro munições intactas e uma deflagrada.

Em coletiva à imprensa, major Flávio Santiago lamentou a morte do cabo e o fato de ele ter desrespeitado as ordens de parada. Ainda não há informações sobre os motivos que levaram o cabo a desacatá-las. A perícia foi acionada e todas as armas envolvidas foram recolhidas.

Um inquérito sobre o caso está aberto. Revistada a casa de onde o policial saiu, ela se encontrava vazia. O denunciante não foi localizado até o momento.