Mais um centro de saúde de Belo Horizonte foi invadido nesta sexta-feira (9). Desta vez, o alvo dos criminosos foi o Centro de Saúde Carlos Chagas, no bairro Santa Efigênia, região Centro-Sul da capital.

O arrombamento aconteceu durante a madrugada e, segundo o Sindicato dos Servidores Públicos de Belo Horizonte (Sindibel), os criminosos invadiram a farmácia da unidade. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (SMSA), foram levados medicamentos do estoque e a farmácia precisou ser fechada para a realização do inventário. A previsão é que o serviço volte a funcionar somente na segunda-feira (12). Os demais serviços do centro funcionaram normalmente.

Esta é a quarta ocorrência em unidades de saúde de BH. Três centros foram arrombados e um médico foi agredido com um soco no Centro de Especialidades Médicas (CEM) de Venda Nova. O Sindibel atribui a reincidência dos casos ao fim do contrato entre a prefeitura e a empresa responsável pela vigilância eletrônica e pontua que as unidades estão cada vez mais vulneráveis.

O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PHS), disse durante uma coletiva de imprensa na manhã desta sexta-feira que as ações são fruto da falta de educação de alguns e caso de polícia. "A população deve se atentar ao que está sendo feito de bom, estamos aqui há dois anos e não falta remédio, não faltam médicos e não há escândalos porque estamos tomando conta de tudo".

A SMSA também divulgou, no fim da tarde de sexta, o posicionamento do órgão sobre o ocorrido e anunciou medidas que devem ser implantadas nos centros de saúde para evitar novos incidentes.. Confira a nota na íntegra:

A Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Saúde – SMSA, informa:

1.    Na madrugada de sexta-feira, 09/11, o Centro de Saúde Carlos Chagas (Av. Francisco Sales, 1.715 – Santa Efigênia), a porta de ferro da farmácia foi arrombada e foram levados medicamentos. O funcionamento da unidade segue normalmente;

2.    A farmácia precisou ficar fechada durante todo o dia para inventário. A previsão é de que volte a funcionar na segunda-feira. Pacientes foram orientados a procurar unidades próximas, como os Centros de Saúde Oswaldo Cruz e Nossa Senhora Aparecida;

3.    O Centro de Saúde conta com alarme e presença da Guarda Municipal, por meio de rondas;

4.    Foi feito Boletim de Ocorrência e a manutenção para conserto da porta que foi danificada;

5.    Em 2019 a Secretaria Municipal de Saúde (SMSA) implantará um novo modelo de sistema de segurança mais ampliado e moderno e que contemplará 252 equipamentos da saúde em toda a cidade. Essas unidades serão equipadas com câmeras, cerca elétrica e alarme eletrônico;

 6.    O valor do próximo contrato com a empresa de segurança é estimado em R$ 4 milhões ao ano.

Leia mais:
Centro de saúde no Jaqueline é o segundo do bairro a ser arrombado em três dias
PBH vai investir R$ 4 milhões em câmeras e alarmes em 252 unidades de saúde
Médico é agredido durante atendimento na UPA de Venda Nova