Cerca de 35 mil pontos comerciais devem reabrir as portas a partir da próxima quinta-feira (6) em Belo Horizonte.  A estimativa é do Sindicato dos Lojistas (Sindilojas), que se diz satisfeito com o anúncio de flexibilização, feito na tarde desta terça-feira (4) pelo prefeito Alexandre Kalil.

Porém, será agora também que o cenário de falências na capital começa a se consolidar, destacou o presidente do Sindilojas, Nadim Donato. "Agora é que vamos saber quem realmente se perdeu nesses quatro meses e meio de fechamento", disse. Até o momento, ele projeta que 5 mil encerraram as atividades definitivamente.

A partir de quinta-feira, lojas de rua poderão funcionar das 11h às 19h. Já os shoppings centers, das 12h às 20h. A abertura será até sábado. Na próxima semana, as lojas voltam a reabrir de quarta a sexta-feira.

 "Não é o ideal, mas é um começo. Gostaríamos de ter bares e restaurantes conosco, mas é um começo", Nadim Donato.

Os estabelecimentos de alimentação só poderão retomar as atividades na fase 2 do plano apresentado pela prefeitura. A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) promete acionar a Justiça assim que o decreto for publicado numa tentativa de antecipar a autorização.

Leia mais:
Queda na demanda por UTIs foi um dos fatores decisivos para a flexibilização da quarentena em BH
Kalil decide reabrir o comércio em BH a partir desta quinta-feira