Na noite desta sexta-feira (25), o chefe do gabinete militar do governador e coordenador de Defesa Civil de Minas Gerais, Evandro Geraldo Ferreira Borges, conversou com a imprensa sobre os trabalhos realizados em Brumadinho. Ele indica quais locais estão recebendo doações de alimentos não perecíveis, água e material de limpeza. Confira a entrevista completa:

Esse foi o maior desastre ambiental do país?

Segundo a própria empresa relatou, são 13 milhões de metros cúbicos de rejeitos que acabaram vazando das barragens. A B1 vazou e levou consigo outras duas pequenas barragens do local, contabilizando esse montante de rejeitos. Desde o momento em que a Defesa Civil foi acionada, estamos com todo nosso efetivo mobilizado para atender e socorrer a população. 

O abastecimento de água de Belo Horizonte será afetado?

Gostaria de deixar uma primeira mensagem que é de extrema importância, em função das pessoas que têm espalhado notícias de forma leviana: não há nenhum prejuízo para o abastecimento de água da Região Metropolitana de Belo Horizonte. A Copasa fez toda a intervenção necessária para que o abastecimento de água, que era pautado na bacia do Paraopeba fosse desviado e feito pela bacia do Rio Manso. A Copasa já nos assegurou que não haverá e não há qualquer hipótese de prejuízo para abastecimento de água da RMBH.

O que está sendo feito com as pessoas afetadas?

Toda a população está sendo socorrida, a Vale está oferecendo hotel, hospedagem e alimentação. 

Como ajudar? 

Nós pedimos às pessoas que, por ventura, querem doar alimentos, que o façam nos seguintes postos:

18º Batalhão da Polícia Militar em Contagem
2º Batalhão do Corpo de Bombeiros em Contagem
66º Batalhão de Polícia Militar em Betim
5º Batalhão de Polícia Militar, na Gameleira, em Belo Horizonte

Eles estão aptos a receber gêneros alimentícios não perecíveis, material de limpeza e água. Somente esses itens que nós pedimos a contribuição. 

Qual é o trabalho da Defesa Civil?

Estamos com um plano de contingência acionado. Escala de plantão especial com atenções voltadas para salvar vidas e socorrer pessoas. As causas, impactos ambientais, consequências desses desastres serão discutidas posteriormente. A Defesa Civil está junto ao gabinete de crise, assessorando as autoridades do Estado para darmos todo tipo de ajuda à população de Brumadinho. 

Existe algum lugar no município em que as pessoas podem buscar atendimento?

Em Brumadinho temos o centro de atendimento de pessoas e vítimas, que está localizado na Estação de Conhecimento do município, para onde as pessoas atingidas podem se deslocar. Além disso, temos também um local para doação, que é a quadra de esportes da cidade. 

O rompimento da barragem teve proporções maiores do que a de Fundão, no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana?

A própria empresa nos repassou a proporção que esse desastre corresponde a 1/4 do que ocorreu em Fundão. Em termo de 20%. No entanto, a proporção de vítimas pode dar um número muito alto que a gente não tem condições de mensurar. O que temos, até o momento, são sete vítimas fatais e 17 vítimas feridas, que foram socorridas, além das cem pessoas ilhadas e resgatadas pelos Bombeiros.

Vocês têm mais informações sobre as pessoas salvas? As buscas permanecem por toda a noite? 

Muitos dos ilhados já foram cadastrados, catalogados e liberados para suas residências. A Vale conseguiu socorrer vários funcionários que estavam no local do acidente, que também foram catalogados e liberados para retornar para casa. 

Os Bombeiros ainda permanecem no local fazendo as ações de salvamento. A Polícia Militar está dando todo apoio, no sentido de fazer o cerco de contenção da área, bem como as aeronaves para continuar no salvamento e nas buscas durante a noite. 

Há algum outro risco? Tem uma represa no local...

As buscas permanecem no local, nas áreas quentes, onde definimos. A represa que permanece intacta foi avaliada por técnicos da Vale e a informação que temos é que nesse momento não há risco de rompimento dela. A represa contém somente água.

Leia mais:
Peritos dizem que 'há tempos alertam para riscos de rompimento de barragens'
Governo atualiza números e confirma sete mortos e 150 desaparecidos na tragédia em Brumadinho
Anistia Internacional cobra investigação de rompimento e pede auxílio imediato a afetados