Uma força-tarefa vai vistoriar, na noite desta segunda-feira (24), as margens de um dos córregos afluentes da Lagoa da Pampulha, em Contagem, em busca de capivaras que possam estar vivendo no local. Fazem parte do grupo especialistas da Secretaria de Meio Ambiente de Contagem, do Programa de Recuperação e Desenvolvimento Ambiental da Bacia da Pampulha e agentes da Guarda Municipal da localidade. A vistoria faz parte da estratégia da Prefeitura de Contagem para conter o surto de febre maculosa, que já matou quatro pessoas na cidade da Grande BH.

O córrego Bom Jesus, que passa pela região da Vila Boa Vista, fica muito próximo ao limite entre BH e Contagem, que fica atrás do Jardim Zoológico, e há a suspeita de que seja o habitat de um bando dos roedores.

Segundo a diretora de Fiscalização Ambiental da Prefeitura de Contagem, Sirlene Almeida, a área vistoriada tem mais de 8 mil metros quadrados e já foi verificada na semana passada. "Na última vistoria, não encontramos nenhuma capivara, mas encontramos um carrapato e pegadas dos animais", contou. Conforme Sirlene Almeida, o carrapato-estrela encontrado foi encaminhado para análise para verificar se há a presença da bactéria causadora da febre maculosa.

Por serem as capivaras animais de hábitos noturnos, a inspeção acontecerá a partir das 19h e, de acordo com o que detalhou a especialista da prefeitura, vai resultar em um mapeamento a partir do qual será elaborado um plano de controle. "Se encontrarmos capivaras, elas serão identificadas e castradas e tomarão o banho com o carrapaticida. Em caso de identificação da presença de filhotes e de carrapatos, os banhos serão mais frequentes", explicou.

Os próximos passos dependem dos resultados da vistoria marcada pra esta segunda. De acordo com a diretora, se forem encontrados vestígios da presença dos animais às margens do curso d'água, novas vistorias devem ser agendadas até que possa ser feita a identificação das capivaras. Todos os casos confirmados da doença em Contagem, até agora, vêm da área onde a fiscalização será realizada. 

Balanço

No último balanço, divulgado na sexta-feira (21), seis casos de febre maculosa já haviam sido confirmados em Contagem em 2019, sendo que quatro das vítimas morreram em decorrência da doença. Além deles, há 65 notificações, que é quando um paciente entra em um centro de saúde com os sintomas, e outros 60 casos em investigação.

Letalidade

A febre maculosa mata quatro a cada dez infectados. A enfermidade é mais comum entre junho e novembro, conforme a Secretaria de Estado de Saúde (SES). Nestes meses, a população de carrapato-estrela, transmissor da bactéria, aumenta devido ao ciclo de vida da espécie. A doença provoca febre alta, manchas na pele e dores no corpo.

Orientações

Pessoas que moram perto de áreas com possibilidade de existência do carrapato-estrela devem examinar o corpo a cada três horas, usar roupas claras e compridas, colocar barras da calça para dentro da meia e usar sapatos fechados. Outras orientações são:

- Se encontrar um carrapato no corpo, o recomendável é utilizar uma pinça e retirar o parasita pelo bico. Apertar o animal com os dedos pode fazer com que o sangue caia na corrente sanguínea do ser humano;

- Outro alerta é para as pessoas não matarem as capivaras. O carrapato-estrela é hospedeiro de animais que estão com sangue quente. Quando um animal morre, o carrapato procura outro ser vivo para se alimentar e o perigo pode se espalhar ainda mais;

- O abandono de animais em outras regiões também pode fazer com que a doença se espalhe. A responsabilidade pela higienização é dos donos.

Tratamento precoce é essencial

Ao primeiro sinal da doença, a orientação é procurar atendimento médico imediatamente, já que o tratamento precoce é essencial para evitar formas mais graves da febre maculosa e até mesmo a morte, segundo o Ministério da Saúde. Veja abaixo alguns sintomas:

- Febre acima de 39ºC e calafrios, de início súbito;

- Dor de cabeça intensa;

- Náuseas e vômitos;

- Diarreia e dor abdominal;

- Dor muscular constante;

- Inchaço e vermelhidão nas palmas das mãos e sola dos pés;

- Gangrena nos dedos e orelhas;

- Paralisia dos membros que inicia nas pernas e vai subindo até os pulmões causando parada respiratória;

- Além disso, com a evolução da febre maculosa é comum o aparecimento de manchas vermelhas nos pulsos e tornozelos, que não coçam, mas que podem aumentar em direção às palmas das mãos, braços ou solas dos pés.

febre maculosa

Clique para ampliar ou salvar

Leia mais:
Contagem investiga 60 casos suspeitos de febre maculosa
Casos de febre maculosa se espalham por Minas e chegam a Betim e Ribeirão das Neves