O coronel da reserva da Polícia Militar vítima de tortura dentro de casa em Igarapé, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) perdeu um dos olhos, mas retomou a consciência e saiu do respirador na manhã desta terça-feira (7). A esposa dele, uma cabo da corporação que está na ativa, permanece em estado de atenção, conforme informou a PM.

O casal permanece internado no Hospital de Pronto-Socorro (HPS) João XXIII. O homem, de 50 anos, tem nova cirurgia prevista para os próximos dias para a reconstrução óssea do palato e da mandíbula. A mulher, de 34, mantém a pressão intracraniana estável com quadro esperado para as primeiras 48h após a cirurgia. Uma tomografia deve ser feita nesta quarta-feira (8) para avaliar a situação.

Os militares foram torturados e baleados dentro de casa na madrugada de segunda-feira (6). O carro deles foi usado para a fuga e queimado em seguida. Três dos suspeitos pelo crime foram mortos em um confronto com a Polícia Militar na noite do mesmo dia. Durante as investigações, a PM recebeu uma informação do Ministério Público sobre o paradeiro de um deles, perto de Ibirité. As viaturas foram até o local e o suspeito se entregou. A partir dele, os policiais encontraram os outros.

Dando sequência às buscas, os militares chegaram até uma casa usada pelos criminosos para dividir os lucros dos crimes e aguardar. "Nós seguimos para lá e as viaturas foram recebidas a tiros. Três criminosos atacaram os policiais e um fugiu. O que fugiu foi preso e os três que confrontaram as guarnições foram mortos", revelou o coronel Olímpio Garcia Pereira Jr., comandante do Policiamento Especializado.

Os dois que foram capturados estão sendo ouvidos na tarde desta terça-feira (7) pela Polícia Civil. O inquérito foi instaurado na segunda e a perícia esteve na casa dos militares e no local onde o carro deles foi encontrado carbonizado.

Com Rosiane Cunha e Anderson Rocha