A cratera que se abriu no asfalto da rua Eclipse, no bairro Santa Lúcia, em Belo Horizonte, aumentou consideravelmente neste domingo (18). A via, que é sem saída, está interditada e o trânsito de veículos e pedestres foi impedido. O acesso ao bairro pela avenida Raja Gabáglia, a partir da rua Denver, está restrito ao trânsito local. De sábado (17), quando a pista se rompeu, para domingo (18), o buraco atingiu aproximadamente sete metros de diâmetro e seis metros de profundidade.

A situação preocupa principalmente moradores de casas próximas às extremidades da cratera. Em uma delas, no número 160, o buraco já chegou bem perto do muro. "Com as chuvas, a situação se agravou e o buraco já chegou na divisa da nossa casa. A Defesa civil esteve aqui, e interditou parcialmente a área mais próxima do muro", conta o engenheiro civil André Buckmayer Wolff, 49 anos. "A casa já tem umas trincas por dentro. A gente fica bem preocupado com o aumento do problema", completa o morador, que vive com a mãe, de 83 anos.

Segundo André, a Copasa esteve no local no sábado (17) para fazer a manutenção da rede de esgoto, mas a Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap) ainda não resolveu o problema. "A rede fluvial rompeu com o excesso de chuva. A água, que tinha que caminhar por dentro da tubulação, começou a correr por fora, movimentando o solo e gerando o buraco. A prefeitura disse que não tem equipe para tratar o problema de forma emergencial e que as obras devem começar na segunda-feira. Enquanto isso, estamos à mercê de São Pedro", diz o morador. 

 

cratera

No sábado, cratera estava muito menor. Veja galeria abaixo 

A Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) confirma que equipes da Sudecap devem realizar intervenções na rede pluvial a partir da próxima segunda (19). Com relação às rachaduras da casa, a Defesa Civil informa que não há risco estrutural. Segundo o órgão, os moradores foram instruidos a manter o monitoramento e a ligar para o 199, caso as trincas evoluam. 

No sábado, um caminhão de lixo chegou a cair no afundamento de pista, quando o asfalto cedeu. Outra preocupação dos moradores é um poste da Cemig, que fica numa das extremidades da cratera, em frente a uma casa. "O poste está descalçado. Pode vir a cair e tirar a energia de todo mundo. A Cemig já foi avisada", comenta André. No último quarteirão da rua Eclipse, seis casas e dois prédios estão "ilhados", sem acesso por carros, já que o buraco ocupa toda a passagem da rua, que é sem saída.