As obras de construção da caixa de captação de água das chuvas na avenida Vilarinho, segunda etapa das intervenções contra enchentes nas regiões Norte e Venda Nova, podem ser entregues até agosto de 2021. Este é o prazo máximo para que as empresas que vencerem a licitação concluam o serviço, conforme edital lançado nessa terça-feira (10), pela Prefeitura de Belo Horizonte.

Ponto crítico da rede de escoamento da cidade, a avenida Vilarinho é palco de enchentes desde 1996 e, no último período chuvoso, precisou de repetidas interdições. Em novembro de 2018, mãe e filha morreram afogadas durante um temporal ao não conseguirem sair de um carro e o prefeito Alexandre Kalil (PSD) anunciou que faria obras na via.

O edital lançado esta semana é da etapa mais demorada e complexa das intervenções. Pelo projeto, uma caixa de captação com capacidade para 2.800 m³ de água será construída no encontro da avenida com as ruas Doutor Álvaro Camargos e Maçon Ribeiro, no bairro Venda Nova. O custo estimado é de até R$ 13.258.052,60.

A listagem de regras e documentações para o certame está disponível na página da prefeitura e prevê prazo de até 480 dias para entrega. Como as companhias interessadas podem enviar as documentações para habilitação até o dia 2 de abril e ainda há o prazo para a conclusão do certame, no melhor cenário as obras seriam entregues no fim de agosto de 2021.

A caixa que será construída nesta etapa do projeto vai ficar na superfície da Vilarinho. O objetivo é que ela contenha parte da água que vem dos córregos do Nado e Vilarinho e, assim, desafogue o canal do ribeirão Isidoro. 

Desde o último dia 27, técnicos já são vistos trabalhando no entroncamento das três vias preparando o espaço para a implantação da caixa. 

Leia Mais:
Cratera que se abriu na Assis Chateaubriand será recuperada em até 30 dias
Eleições 2020: pesquisa mantém Kalil na liderança para sucessão em BH
Motoristas de aplicativos protestam na porta da prefeitura contra a regulamentação do serviço em BH