Um técnico de enfermagem de 50 anos foi preso na manhã desse sábado (25) suspeito de estuprar um paciente de 38 no Hospital de Pronto Socorro João XXIII.

De acordo com o boletim de ocorrência, a Polícia Militar foi acionada pela mãe da vítima após o homem que estava internado afirmar que o enfermeiro abusou sexualmente dele. A mulher relatou aos militares que o profissional trocou a roupa de cama do leito e levou o paciente ao banho, onde teria ocorrido o abuso.

A vítima, que está internada há três dias, contou que o técnico começou a falar palavrões e passar a mão por seu peito e umbigo, onde ele sentia dores. O suspeito ainda teria perguntado durante o banho se o paciente queria uma masturbação e ele respondeu que não. Apesar da negativa, o enfermeiro teria ido pegar óleo mineral e, ao retornar, introduziu dois dedos no ânus da vítima. O paciente contou que não reagiu ou gritou por socorro devido à condição debilitada e sem forças em que se encontrava.

A polícia ainda questionou outros pacientes que estavam internados no mesmo quarto que o homem e eles afirmaram não ter visto ou ouvido nada. O suspeito negou o ato e afirmou que só trocou a roupa de cama do leito, levou o paciente ao banho e deixou a porta entreaberta. Segundo o enfermeiro, o óleo mineral é produto padrão para os banhos dos pacientes.

O suspeito foi preso e levado à Central de Flagrantes 2 (Ceflan 2).

Em nota, o Hospital João XXIII afirmou que todas as providências necessárias foram tomadas e que a Controladoria Seccional da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) e a direção do hospital vão investigar o caso e "avaliar se caberá o afastamento do servidor até que tudo seja devidamente apurado e esclarecido".