O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, visitou na tarde desta quarta-feira (4) o Lar dos Idosos Nossa Senhora da Saúde, no bairro São Geraldo, região Leste da capital. A instituição recebeu artistas ligados ao Programa Gentileza, que fizeram grafites nas paredes internas do imóvel.

Durante a visita, o prefeito afirmou que já autorizou reformas nos 28 asilos conveniados à PBH. As obras contarão com o investimento aproximado de R$ 5 milhões.

Questionado sobre as polêmicas envolvendo o Plano Diretor da cidade, que unifica o coeficiente de aproveitamento básico para todas as novas construções, o prefeito reforçou a necessidade da mudança na lei. “Aqui foi feita muita coisa, durante muitos anos, para empresários da construção. Isso acabou. Estamos pouco nos lixando para o que pensa o empresariado a respeito disso”, afirmou.

De acordo com Kalil, a mudança vai ser importante por permitir a realização de novos investimentos em infraestrutura na capital, com o uso da chamada outorga onerosa. “O lote vai continuar valendo o que vale. Então, o empresário vai pagar a mesma coisa, só que isso não vai para a prefeitura”, destacou.

Anel

Kalil falou ainda sobre as possíveis obras de reforma no trecho do Anel Rodoviário que vai do bairro Betânia à avenida Amazonas. O prefeito afirmou que a prefeitura não tem que entrar nas negociações da alçada de órgãos federais, mas que está disposto a colaborar.

A reforma envolveria negociações entre o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e seria custeada por uma dívida de R$ 600 milhões da Ferrovia Centro-Atlântica (FCA) com o governo federal.

“Se eles se acertarem vai ser ótimo porque naqueles 6,5 km, o valor de R$ 600 milhões vai resolver definitivamente o problema do Anel”, avaliou Kalil. O prefeito declarou ainda que nunca pensou em municipalizar a rodovia. “Ninguém municipaliza problema. O anel é de responsabilidade do Governo Federal”, disse.