Uma mulher de 40 anos perdeu R$ 300 ao cair em um golpe de um estelionatário que se passou por funcionário do Banco Central. O crime aconteceu em Poços de Caldas, no Sul de Minas Gerais, no dia 17 de janeiro, mas a vítima procurou a Polícia Militar apenas nessa quarta-feira (23) para registrar o boletim de ocorrência.

À PM, a mulher contou que recebeu uma mensagem pelo WhatsApp afirmando que ela tinha direito a um empréstimo de R$ 10 mil. O homem que enviou o texto se identificou como funcionário do Banco Central, que seria responsável pela liberação do valor.

Entretanto, quando a vítima mostrou interesse no empréstimo, o homem afirmou que só seria liberado se ela depositasse R$ 300 em uma conta do banco Itaú. A mulher depositou a quantia e, quando viu que os R$ 10 mil não foram depositados em sua conta, tentou contato com o suposto funcionário do BC, mas não foi respondida ou atendida.

Para a PM, ela pode ter demorado quase uma semana para prestar queixa, porque ainda tinha a esperança que o empréstimo fosse depositado.

Banco Central

Apesar de ter tido o nome usado para oferecer um empréstimo, o Banco Central não realiza esse tipo de serviço e esclarece em seu site que seu relacionamento é unicamente com instituições financeiras.  

Na página, o Banco Central esclarece que "não é um banco comercial e não oferece empréstimos ou financiamentos, os quais podem ser obtidos com as instituições financeiras". A instituição ainda orienta os cidadãos a não tomarem empréstimos com empresas que condicionam a liberação do dinheiro a depósitos iniciais e que anunciem em jornais oferecendo supostas facilidades e vantagens. 

"As mensagens autênticas do Banco Central nunca solicitam informações pessoais ou bancárias. O Banco Central somente entra em contato com aqueles que solicitam resposta da instituição. Caso você receba alguma mensagem desse tipo, não abra os arquivos anexos, não acione os links nela indicados e não siga nenhuma instrução. Tampouco preencha formulários ou envie qualquer tipo de informação", alerta.

O Banco Central é responsável por ações macroeconômicas, relacionadas ao sistema financeiro do país como um todo. Entre as atribuições do BC estão condução das políticas monetária, cambial, de crédito e de relações financeiras com o exterior; a regulação e a supervisão do Sistema Financeiro Nacional (SFN) e a administração do sistema de pagamentos e do meio circulante.