Técnicos da Cemig encontram indícios de ligações irregularidades e clandestinas de energia elétrica em diversas residências e estabelecimentos localizados nas regiões Centro-Sul e Oeste de Belo Horizonte.

Na manhã desta quarta-feira (6), a empresa fez uma fiscalização de combate a 'gatos' e inspecionou cerca de 120 medidores nos bairros Barro Preto, Prado, Barroca e Gutierrez. Os equipamentos suspeitos foram retirados e levados para perícia. Além disso, foram feitos cerca de 400 cortes por inadimplência.

A Cemig informou que a cada 15 dias realizará mutirões para diminuir o prejuízo anual de aproximadamente R$ 300 milhões com furto de energia. De janeiro a meados de julho deste ano, a companhia inspecionou mais de 41 mil imóveis com suspeitas de irregularidades.

De acordo com gerente de Gestão e Controle da Medição e das Perdas Comerciais da Cemig, Marco Antônio de Almeida, a tarifa dos consumidores mineiros poderia ser até 5% mais barata se não houvesse ligações irregulares e clandestinas.

“Acompanhamos o consumo dos mais de 8 milhões de clientes e, além de fazer a rotina diária de inspeções através dessas avaliações de consumo, fazemos inspeções rotineiras e mutirões em todos o estado. Temos encontrado muitas irregularidades e, ao corrigi-las, conseguimos preservar a receita da Companhia”, destaca.

Crime

Caso seja confirmada a irregularidade pela Cemig, o suspeito de furtar energia pode responder criminalmente. Além do pagamento de multa, ele pode pegar de um a oito anos de reclusão, e também terá que pagar pela energia furtada e não faturada em até 36 meses.

Leia mais:
Governo de Minas ataca Dilma em recurso sobre Cemig apresentado no STF
Portaria do MME é para distribuidoras da Eletrobras e não usinas Cemig
Ações para o Jequitinhonha: série de investimentos foi anunciada durante Fórum Regional de Governo