Dois suspeitos de praticar estelionato na cidade de Buritizeiro, no Norte de Minas, foram presos na manhã desta terça-feira (16). Um deles, um homem de 55 anos, trabalhava como guarda municipal na cidade vizinha de Pirapora, e a mulher, de 63, era dona de casa. A dupla foi presa durante a operação Conto do Vigário, da Polícia Civil, e o prejuízo causado por eles pode chegar a R$ 300 mil.

O caso começou a ser investigado há cerca de dois meses, quando uma vítima procurou a Polícia Civil e, a partir dela, os agentes chegaram a outras 16 pessoas que caíram no golpe. De acordo com o delegado Jeferson Leal, o homem pedia dinheiro emprestado às vítimas alegando que estava prestes a receber uma grande quantia de uma ação judicial e de um empréstimo do Banco do Nordeste, e precisava apenas pagar os custos judiciais e de documentação. O suspeito prometia pagar três vezes a quantia emprestada, mas nunca devolveu nada aos credores. Uma vítima chegou a emprestar R$ 12 mil.

O papel da mulher nas ações, segundo o delegado, era confirmar a veracidade das justificativas dadas pelo guarda. "Quando uma vítima cobrava muito, ele a encaminhava para a mulher, que confirmava que havia uma ação em andamento para receber o dinheiro e chegava a ligar para um suposto advogado, que fingia dar notícias sobre os processos", detalhou Leal. Segundo o delegado, esse terceiro envolvido ainda está sendo procurado pela polícia.

Leal ainda contou que os suspeitos moravam em Buritizeiro e atuavam dessa forma desde 2012. A PC ainda acredita que haja muito mais vítimas dos estelionatários. "As pessoas tinham medo de cobrar, medo de ir à polícia, porque a família de um deles tem fama de ser perigosa na cidade", declarou o agente.

Os dois foram presos preventivamente e encaminhados ao presídio de Pirapora.