Uma decisão judicial, expedida nesta sexta-feira (1º), bloqueou R$ 50 milhões da Vale para garantir o ressarcimento do prejuízo causado pela evacuação desordenada em Barão de Cocais, na região Central de Minas Gerais. Moradores de comunidades de Gongo Soco, Tabuleiro, Piteiras e Socorro tiveram que deixar suas casas no dia 8 de fevereiro por causa do risco de rompimento da barragem da mina de Gongo Soco.

A ação que levou ao bloqueio foi impetrada pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e apontou a necessidade de indenização, uma vez que a evacuação das comunidades foi feita de forma abrupta e assustadora, durante a madrugada, causando pânico nos moradores locais, que deixaram os pertences e foram deslocados para o ginásio poliesportivo de Barão de Cocais. Ao todo, 492 pessoas tiveram que deixar suas casas.

Ao deferir o pedido liminar, a Justiça considerou que o abandono dos pertences materiais, das atividades econômicas eventualmente desenvolvidas, dos alimentos e dos animais pode acarretar prejuízos materiais aos envolvidos na evacuação. A decisão ainda considerou o envolvimento da Vale em desastres ambientais de grande magnitude e as ações de evacuação de pessoas. " Esses atos concretos, quando ilícitos, gerarão reflexos patrimoniais ainda desconhecidos, mas capazes, certamente, de comprometer o patrimônio da empresa, de tal modo a tornar impossível a reparação dos prejuízos suportados pelos moradores das localidades afetadas em Barão de Cocais", diz trecho da decisão.

Outra determinação da liminar dá à Vale 10 dias para iniciar o acolhimento e abrigamento dos atingidos em hotéis, pousadas, imóveis locados, arcando com os custos relativos ao traslado, transporte de bens móveis, pessoas e animais, além de total custeio da alimentação, medicamentos e transporte.

No mesmo prazo, deverá adotar medidas para garantir às pessoas desalojadas integral assistência, como médica e de transporte escolar; iniciar a remoção de bens de uso pessoal das residências e dos veículos dos atingidos; e adotar providências para a segurança dos imóveis desocupados.

Caso descumpra a decisão, a empresa estará sujeita a uma multa de R$ 200 mil por dia de atraso. A Vale foi procurada para comentar a determinação, mas ainda não se pronunciou.

(Com MPMG)

Leia mais:
Justiça determina prazo para que Vale comprove ações em barragens com risco
MPMG recomenda que Iepha exija de mineradoras ações de preservação do patrimônio cultural
Solução para evitar tragédias, desativação de barragens é lenta e pode oferecer riscos