Depois de mais de dois meses de mobilização, os médicos do Hospital João XXIII retornaram ao fluxo normal de trabalho nessa quarta-feira (29) imediatamente após a assinatura de um acordo judicial. Desde o dia 12 de junho, o pronto-socorro estava atendendo somente os casos mais graves de traumas e queimaduras.

Em uma audiência de conciliação realizada no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), participaram representantes do Sindicato dos Médicos de Minas Gerais (Sinmed-MG), da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão de Minas Gerais (Seplag) e do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG). Todos concordaram com as questões acordadas.

Para voltarem ao trabalho, os médicos do hospital conseguiram que a Fhemig firmasse o compromisso de oferecer melhores condições de trabalho, entre elas a manutenção estrutural das instalações de equipamentos e materiais, como os dois tomógrafos do hospital.

Exigências atendidas

Ariete Domingues de Araújo, diretora de mobilização do Sinmed-MG, classificou como positivo o saldo do acordo. Apesar de algumas questões não terem sido conquistadas, como o pagamento do salário de uma vez só, outras reivindicações consideradas importantes foram atendidas pelo acordo, entre elas, a criação de um plano de carreira para os médicos da instituição.

A médica também destacou a importância do termo do acordo que prevê a definição e o cumprimento da missão do João XIII. “O hospital é uma instituição de referência no atendimento de grandes traumas e grandes queimados, mas acaba sobrecarregado por ter que atender outras pequenas urgências que deveriam ser encaminhadas para Unidades de Pronto Atendimento”.

“Foi um resultado positivo tanto para a classe médica quanto para os pacientes, uma vez que quando se melhora nossas condições de trabalho, melhoram também as condições de atendimento ao paciente”, comemorou a médica.

Além dos acordos com ações a curto prazo, a Seplag também entrou e se comprometeu a realizar um concurso público não só para o João XXIII mas para toda a rede controlada pela Fhemig. Em nota, a secretaria informou que “de fato, a Câmara de Orçamento e Finanças do Governo já autorizou a realização de um novo concurso público para a Fhemig. No entanto, não há previsão de quando o certame será realizado”.

Procurada, a Fhemig afirmou que as obras prometidas no acordo já estavam sendo realizadas, “(…) da mesma forma, a direção da Instituição vem atuando nas demais unidades assistenciais da Rede para atender suas respectivas demandas”.