Um homem que trabalha como encarregado de logística em uma distribuidora oficial da Backer pode ser mais uma vítima de intoxicação por dietilenoglicol. Nesta quarta-feira (22), a Prefeitura de Montes Claros, no Norte de Minas, notificou o Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde do Estado de Minas Gerais (CIEVS) sobre o caso, que seria o 23º.

No final da tarde, porém, a Secretaria de Estado de Saúde (SES), que é quem concentra os registros, informou que mantinha os números oficiais em 22 casos. Técnicos ainda precisam verificar se o diagnóstico do homem de Montes Claros se enquadram no critérios para ser considerado suspeito.

Segundo a Prefeitura de Montes Claros, a suposta vítima contou à Vigilância Sanitária municipal que bebeu cinco garrafas da cerveja no dia 8 de janeiro, e que fez a ingestão as bebidas, porque os frascos não faziam parte dos lotes contaminados.

A Vigilância Sanitária informou que os frascos foram recolhidos na casa do homem. Ele só procurou ajuda médica nessa segunda-feira (20), quando deu entrada na Santa Casa da cidade, já que os sintomas que sentiu foram melhorando.

Na Santa Casa, o paciente disse que teve diarreia, dor abdominal, fortes dores no estômago, dores de cabeça, câimbra e dormência nos braços logo após tomar a cerveja. Contudo, nesse fim de semana sentiu taquicardia, mal-estar súbito, sudorese e dormência no rosto.

Segundo a Santa Casa, o homem melhorou na terça-feira (21) e teve alta. "O paciente passou por exames iniciais, nos quais os resultados não apresentaram alterações. Na oportunidade, a Santa Casa esclarece que foi colhido exame laboratorial específico, que foi encaminhado para Belo Horizonte para análise", informou a instituição.

Recolhimento

A Vigilância Sanitária de Montes Claros reforçou a recomendação de que não seja consumido nenhum produto da cervejaria, até que sejam concluídas investigações sobre o caso. Aos bares, a prefeitura orienta que não seja comercializado nenhum rótulo da Backer.

Quem possuir a cerveja Belorizontina pode entregá-la na Gerência da Vigilância, na avenida Dulce Sarmento, 2076, no bairro Monte Carmelo, das 8h às 18h. Mais informações estão sendo dadas pelo telefone (38) 2211-4363.

A Backer informou que continua colaborando com as investigações.

Leia Mais:
Polícia ouve mais cinco familiares de vítimas de intoxicação no caso Backer
'Água para fabricação de cervejas não estava contaminada', contesta estudo contratado pela Backer
Mapa contesta laudo independente da Backer e reafirma que água de cervejas estava contaminada