O motorista do Uber Iori Takahashi, de 32 anos, diz ter sido agredido por três taxistas na noite do último sábado (22), no estacionamento de um supermercado, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Segundo a vítima, ele estacionou o carro na portaria central do estabelecimento para deixar um passageiro, por volta das 20h05, quando um motorista de táxi desceu do veículo e disse que Iori não podia parar o automóvel no local. 

Em seguida, o taxista teria dado um murro no carro do motorista, que desceu do veículo e foi até a área em que os táxis estavam parados. "Fotografei o carro dele, o rosto, peguei a placa e disse que chamaria a polícia", conta a vítima. Conforme Iori, o espaço em que estacionou o carro é destinado justamente para desembarque de passageiros de aplicativos de transporte. 

No entanto, ao voltar para o automóvel, o homem foi interpelado pelo taxista e por outros dois colegas, conforme descrito no boletim de ocorrência registrado pela Polícia Militar. O trio agrediu o mototrista com socos e pontapés. "Eles me bateram, me chutaram um monte, xingaram palavras de baixo calão, até caí no chão. Só quando viram que meu olho começou a sangrar que pararam", diz Iori.

A vítima relata que, assim que os homens interromperam as agressões, tomaram o celular dele, que continha as fotos para a denúncia, e o jogaram no chão, pisando em cima. O aparelho ficou danificado e foi confiscado pelo trio que, na sequência, teria chutado o porta-malas do carro de Iori, e arranhado as laterais com chaves de veículos. Logo após, os suspeitos entraram de volta nos táxis e deixaram o local. 

Sgundo Iori, dezenas de pessoas que estavam no estacionamento e na portaria do estabelecimento presenciaram o ato violento. Um segurança do centro de compras teria, inclusive, tentado impedir as agressões, mas não conseguiu conter os três suspeitos. 

Prejuízo

A Polícia Militar compareceu ao estacionamento depois da saída dos taxistas e registrou boletim de ocorrência. Os homens ainda não foram localizados e o caso foi encaminhado para investigação na 4ª Delegacia de Polícia Civil de Contagem. De acordo com a Polícia Civil, o motorista do Uber realizou exame de corpo de delito por volta das 22 horas, no Instituto Médico Legal (IML) e a situação está sendo analisada. 

Iori espera que os taxistas sejam encontrados. "Como roubaram meu celular com as fotos, agora preciso das imagens das câmeras de segurança do shopping para tentar identificá-los", diz. Consternado, ele fez uma postagem nas redes sociais denunciando a situação e diz que aguarda um posicionamento do centro de compras sobre a violência.

"Fiquei no prejuízo, acho um absurdo esse tipo de conduta. No mercado há espaço para todos os profissionais, é uma concorrência normal", argumenta o motorista, que trabalha com o Uber há nove meses, e pegou contato de testemunhas para mover uma ação judicial contra os supostos agressores.

A vítima acionou a Uber para relatar o ocorrido. A companhia afirmou que considera "inaceitável" o uso de qualquer violência contra os motoristas. "Acreditamos que qualquer conflito deve ser administrado pelo debate de ideias entre todas as partes. Todo cidadão tem o direito de escolher como quer se movimentar pela cidade, assim como o direito de trabalhar honestamente", disse a empresa, em nota. A Uber ainda ressaltou que orienta a todos os condutores a contatar as autoridades policiais e a registrar boletim de ocorrência quando se sentirem ameaçados. 

Procurada, a Estaciotec, que administra o espaço em que ocorreu a agressão, ainda não se manifestou sobre o acontecimento. O ItaúPower Shopping, que fica próximo do estacionamento, informou que, apesar de não ser responsável pela área, deslocou imediatamente sua equipe de brigadistas ao local para prestar apoio e os primeiros socorros à vítima. 

A reportagem não conseguiu contato com o Sindicato Intermunicipal dos Condutores Autônomos de Veículos Rodoviários Taxistas e Transportadores Autônomos de Bens de Minas Gerais (Sincavir), que responde por taxistas no Estado.