Duas operações de combate a roubo e receptação de cargas, deflagradas nesta quinta-feira (6), terminaram com 33 pessoas presas em cidades do Centro-Oeste de Minas Gerais. Batizadas de Covil de Ladrões e Delivery, as operações foram resultado de um trabalho conjunto entre o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e as polícias Civil, Militar e Rodoviária Federal.

As prisões aconteceram nas comarcas de Nova Serrana, Bom Despacho, Pitangui, Santo Antônio do Monte, Lagoa da Prata e Divinópolis. Vinte e seis pessoas foram presas em cumprimento de mandados e outras sete foram presas em flagrante. Além das prisões, foram apreendidos 450 papelotes de cocaína, uma barra de cocaína de aproximadamente 500 gramas, um tablete de maconha, cerca de R$ 45 mil em dinheiro e R$ 150 mil em cheques, 27 veículos (dois roubados), equipamentos como celulares, rádios e notebooks, além de grande quantidade de carga furtada/roubada. Quatro casas, dois sítios e seis contas bancárias foram objetos de sequestro de bens.

A operação Covil de Ladrões tem o objetivo de desarticular uma organização criminosa que atuava com roubo e receptação de carga nas BRs  262 e 494. A Delivery apura a atuação de um grupo que recebia pedidos de drogas por telefone e fazia entregas em motocicletas, usando mochilas de pizzaria.

Segundo a 3ª Promotoria de Justiça de Nova Serrana, as investigações tiveram início em 2017, com a instauração de procedimento investigatório criminal, que tinha como objeto apurar o roubo de cargas ocorridos nas BRs que cortam a cidade. No decorrer das apurações, com o apoio do Departamento de Operações Especiais da Polícia Civil (Deoesp), descobriu-se que vários autores dos crimes eram coordenados por um preso que cumpre pena na Penitenciária Nelson Hungria, e que os roubos não se restringiam à cidade de Nova Serrana.

A partir de então foi solicitado o apoio do Gaeco de Divinópolis e, com as diligências realizadas por agentes das polícias Militar, Civil e Rodoviária Federal, foi possível constatar que, além dos agentes responsáveis pelo roubo de cargas, havia outros infratores que se dedicavam ao tráfico de drogas.