Duas pessoas foram presas e mais de R$ 5 milhões em multas foram aplicadas durante uma operação do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) para combater a degradação da mata atlântica no Estado. Segundo o balanço do órgão, ao todo foram devastados mais de 1.200 hectares da mata em Minas.

A operação Mata Atlântica em Pé, iniciada no último dia 10, realizou diligências em outros 14 estados, além de Minas, e envolveu o Núcleo de Combate aos Crimes Ambientais (Nucrim) do MPMG, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), o Ibama e a Polícia Militar de Meio Ambiente.

Além das prisões e multas, foram apreendidas quatro armas de fogo, uma arma branca, 4.413 m³ de lenha e carvão e dois pássaros da fauna silvestre.

Outros estados

No balanço nacional da operação, consta a apreensão de mais de 5 mil metros cúbicos de madeira e mais de R$ 13 milhões aplicados em multas.

As punições são aplicadas aos responsáveis pelo desmatamento das respectivas áreas. Além da multa, eles ainda são condenados à pratica de ações de restituição do bioma. Foram realizadas diligências em Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Goiás, São Paulo, Espírito Santo, Bahia, Sergipe, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Piauí e Ceará.

A mata atlântica está presente em 17 estados brasileiros e, antes de sua degradação, cobria cerca de 13% do território nacional. Hoje, resta aproximadamente 10% da extensão original do bioma, que abriga uma grande diversidade de fauna e flora que estão ameaçadas pelo desmatamento.