Em pouco mais de 24h, pelo menos duas mulheres foram vítimas de feminicídios em Minas Gerais. Um idoso de 67 anos está sendo procurado pela Polícia suspeito de ter matado a ex-companheira com 26 facadas e outro homem, de 50 anos, foi preso suspeito de matar a ex-mulher e enterrá-la em um matagal nos fundos da casa dele.

O primeiro caso aconteceu em Berilo, no Vale do Jequitinhonha, nesse domingo (13). Segundo a Polícia Militar, o suspeito foi delatado por um outro idoso de 75 anos, que conversava com vítima, de 45 anos, pelo celular quando o homem começou a golpeá-la. De acordo com o boletim de ocorrência, a mulher foi até a casa do ex-marido porque ouvira dizer que alguém queria roubar o local. Lá, durante a conversa com o amigo por telefone, ela começou a gritar dizendo que alguém tentava matá-la.

O homem e um irmão da vítima foram até o local e encontraram a vítima caída, já morta, bastante ensanguentada. A perícia esteve no local e constatou 26 perfurações no corpo da mulher, sendo que 16 foram na cabeça. Os agentes também apreenderam uma faca que estava ao lado do corpo, provavelmente usada no crime.

Em buscas na casa do suspeito, a polícia apreendeu uma espingarda polveira de fabricação artesanal e uma garrucha calibre .22, além de apetrechos para recarga. O homem continua foragido.

Januária

Em Januária, no Norte de Minas, um homem de 50 anos foi preso no sábado (12) após levar policiais militares onde o corpo da ex-mulher, de 42, estava enterrado. A filha do casal foi quem acionou a polícia após notar o desaparecimento da mãe. Ela contou aos militares que a mãe foi vista pela última vez na sexta-feira (11) nos arredores da casa do pai e que eles tinham discussões frequentes.

Segundo a delegada de Polícia Civil Bruna Brito, que assumiu o caso, mesmo tendo levado os agentes ao corpo, o suspeito negou ter matado a mulher. "A versão dele é de que duas pessoas encapuzadas mataram a mulher, enterraram ela naquele local e deixaram ele fugir, mas não há nenhum indício de participação de terceiros e ele foi preso mesmo negando", detalhou. Segundo a delegada, ele deve ser indiciado por feminicídio.

O corpo da mulher foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) e foram encontrados um corte profundo na cabeça e sinais de esganadura, mas ainda não há o motivo exato da morte.