O major Flávio Santiago, porta-voz da Polícia Militar em Minas, afirmou nesta segunda-feira (28) que estão sendo apurados vários relatos de saques a residências de moradores que deixaram Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, após o rompimento das barragens da Mina Córrego do Feijão, na última sexta-feira (25). "Recebemos o reforço do Batalhão Acadêmico da PM e estamos reforçando a segurança dos moradores que deixaram suas casas".

De acordo com ele, ainda não há registros de ocorrências no sistema da PM, mas as forças de segurança já identificaram relatos de saques em residências nas redes sociais. Além de criminosos atuando no local, as polícias Civil e Militar também alertam para a ação de estelionatários que têm usado a tragédia para pedir falsas doações. 

Segundo o major, a Defesa Civil não está pedindo e nem precisa de mais doações. "Não há uma conta da Defesa Civil para depósito de doações, e, se tivesse, ela estaria no site oficial do órgão. É preciso que as pessoas verifiquem a veracidade da ação", orienta.

O delegado Arlen Bahia, da Polícia Civil, também afirmou que a corporação já abriu um inquérito para investigar a ação dos estelionatários.

Outras ações

Segundo o major Santiago, a Polícia Militar também atua no local no sentido de proteger as zonas quentes, onde há riscos para a população. Outro papel da PM também é executar a evacuação da cidade caso seja necessário. 

"Embora esse risco esteja mitigado no momento, estamos a postos caso seja preciso esvaziar a cidade e fazer esse trabalho de mediação", explicou.

Lei mais:
Polícia Militar alerta para risco de golpe em pedidos de ajuda financeira para vítimas de Brumadinho
Equipes de busca localizam segundo ônibus submerso na lama
Número de mortos vai a 60 em Brumadinho; 292 seguem desaparecidos