A cada dez árvores da capital, pelo menos uma é um ipê. A espécie representa 9% de todos os exemplares catalogados no Inventário de Árvores de Belo Horizonte, que registrou 300 mil espécimes nas regionais Leste, Centro-Sul, Noroeste, Oeste e parte da Pampulha. Principalmente a partir do fim do outono até o fim do inverno, eles florecem e colorem a paisagem da cidade, sendo a maioria delas com flores rosas.

“Temos nove espécies de ipê aqui. A maioria é nativa da região Sudeste e principalmente de Minas Gerais. Todos os ipês que fazem parte da área pública são parte de um projeto de paisagismo. Eles foram trazidos para esses pontos para provocar esse espetáculo”, explica Júlio De Marco, arquiteto e urbanista da Secretaria Municipal de Meio Ambiente. 

As avenidas Afonso Pena, Getúlio Vargas e Contorno também são protagonistas no espetáculo rosa que tem colorido a cidade. Júlio De Marco pontua que os ipês rosa florescem sempre depois de uma onda de ar frio. “Essas espécies estão florescendo dentro da época certa. Os ipês rosa floresceram sempre em julho e agosto, principalmente depois de uma onda de frio, como tivemos em Belo Horizonte nas últimas semanas”, ressalta.

Ipê rosa

Em áreas mais movimentadas, como a Praça da Liberdade e a Savassi, também não é difícil encontrar moradores parando e apreciando as flores.

 

O ipê rosa é o mais comum, com 9.665 árvores e com floração sempre nos meses de julho e agosto. Já a espécie mais rara é o ipê verde, que tem apenas 20 unidades na capital.

Confira o levantamento:

Espécie   Total     Percentual do total (%)
Ipê rosa       9.665       35,66
Ipê tabaco       6.034       22,27
Ipê amarelo      2.807       10,36
Ipê roxo      2.612         9,64
Ipê mirim      2.475        9,13
Ipê branco      2.446        9,03
Ipê sete folhas        901        3,32
Ipê do cerrado         140        0,52
Ipê verde          20       0,07
Total     27.100     100,00

Bruno Moreno, com informações do BH Notícias